Al Qaeda ameaça regime saudita

Cairo, 22 set (EFE).- O braço da Al Qaeda na península arábica ameaçou hoje com novos ataques o regime saudita e mandou um recado aos governantes: procurem salvar a própria pele.

EFE |

Divulgada em um vídeo em foruns islamitas na internet, a ameaça é a primeira desde que um dos militantes do grupo tentou assassinar o vice-ministro saudita de Interior, Mohammed ibn Nayef bin Abdel Aziz, em 27 de agosto.

Na gravação, a Al Qaeda acusa os governantes sauditas de serem os agentes da cruzada (ocidental) e de permitir que o território seja utilizado como base para lançar ataques contra grupos islamitas do Iraque e do Afeganistão.

"A península arábica se transformou em pista de decolagem de aviões para bombardear nossos irmãos do Iraque e do Afeganistão", disse Abdallah Hassan al-Asiri, o autor da tentativa de assassinato do vice-ministro saudita.

O príncipe Nayef bin Abdel Aziz teve ferimentos leves, mas o autor do atentado morreu.

Em um vídeo de dez minutos gravado antes de cometer o atentado, o terrorista Asiri acusa o regime saudita de transformar o país em um centro de corrupção e de desintegração moral pelo fato de combater o Islã.

Durante a gravação, Asiri aparece segurando uma granada em uma das mãos e dirige-se ao vice-ministro saudita dizendo que tem amplos poderes para lutar contra os mujahedins (combatentes islâmicos) da Al Qaeda.

Por sua vez, o líder do grupo Al Qaeda na Península Arábica, Nasser al Wehaishi, também conhecido como Abu Bassir, afirmou que embora os governantes sauditas consigam salvar sua pele, os 'mujahedins' continuarão a perseguição.

"Nós os caçaremos em qualquer lugar e de qualquer forma até eliminarmos a sua idolatria", afirmou o líder regional da Al Qaeda.

O regime saudita, o país islâmico mais conservador e fiel à seita wahhabista, a mais rígida do mundo muçulmano, combate a Al Qaeda desde maio de 2003, quando terroristas do grupo lançaram bombas contra o país.

Asari chegou a se aproximar do príncipe saudita com a desculpa de que renunciava à militância na Al Qaeda. Ele conseguiu passar pelos controles de segurança porque levava um explosivo escondido no ânus.

EFE nj/dm

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG