Airbus participará de investigações sobre acidente do A330 da Air France

A fabricante de aviões europeia Airbus participará das investigações sobre o desaparecimento do A330 do voo da Air France Rio-Paris, desaparecido no Atlântico na segunda-feira com 228 pessoas a bordo, como ocorre em cada acidente aéreo.

AFP |

Desde segunda-feira, quando foi registrado o desaparecimento do avião, a Airbus indicou que ofereceria "total assistência técnica" para as investigações.

A participação da fabricante está prevista no capítulo XIII da Organização de Aviação Civil Internacional (OACI), que se refere às "investigações sobre os acidentes e incidentes da aviação".

A parte técnica está nas mãos da Agência (francesa) de Pesquisas e Análises (BEA), com a ajuda de seu equivalente brasileiro, o Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Cenipa).

Durante uma entrevista coletiva à imprensa, nesta quarta-feira pela manhã, a BEA, submetida ao Ministério dos Transportes, confirmou que incluía em seu trabalho especialistas da Airbus.

"A BEA é totalmente independente e não se trata de intervir em suas equipes. Mas estamos juntos a sua investigação e, se a BEA precisar de nós para precisões técnicas sobre a aeronave, estamos dispostos a fornecer as informações", explicou a Airbus.

Na prática, a empresa pode, por exemplo, ajudar a reconhecer partes do avião espalhadas no acidente. "Se uma peça for encontrada, estamos em condições de dizer como está instalada e em qual lugar do avião", indicou a Airbus.

"Em geral, enviamos uma equipe ao local do acidente, mas neste caso particular, não sabemos ainda como vamos nos organizar", explicou a empresa em sua sede de Toulouse.

Os restos do avião foram localizados no Atlântico a cerca de mil quilômetros da costa do Brasil e a cerca de 2.000 da costa senegalesa.

Apesar disso, a Airbus se negou a fazer comentários sobre as possíveis causas do acidente.

"A investigação continua sendo da total responsabilidade das autoridades competentes e seria inapropriado para a Airbus entrar em qualquer tipo de especulação sobre as causas do acidente", declarou a fabricante de aviões.

jmi/dm

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG