Airbus nega possibilidade de suspender uso de A330/340

PARIS (Reuters) - A Airbus negou nesta quarta-feira reportagem de um jornal francês dizendo que a fabricante europeia estaria considerando suspender as operações de suas aeronaves da frota A330 e A340 após acidente com um avião durante voo no Oceano Atlântico na semana passada, dizendo que eles são seguros. O jornal Le Figaro informou na sua primeira edição de quinta-feira que a Airbus não exclui esta opção após o acidente com o modelo A330 da Air France na semana passada durante uma tempestade.

Reuters |

Respondendo à reportagem de que a Airbus poderia suspender a operação de quase 1.000 aeronaves e ordenar que companhias aéreas substituam seus sensores de velocidade, o porta-voz da Airbus, Stefan Schaffrath, disse à Reuters: "Não estamos considerando a suspensão da frota porque é segura para operar".

A reportagem foi matéria de capa da edição de quinta-feira do Le Figaro, que foi divulgada antes de sua publicação.

O A330 e o A340 são da mesma família de aeronaves e possuem vários componentes iguais. O A340, para longa distâncias, possui quatro turbinas e o A330 apenas duas.

Há 605 modelos do A330 e 359 do A340 em operação no mundo, de acordo com a Airbus, parte da fabricante europeia EADS.

Estes números incluem 340 modelos da variante envolvida no acidente da semana passada, conhecida como A330-200.

Investigadores franceses disseram que a aeronave da Air France enviou 24 mensagens de erro incluindo uma que sugeria que seus sensores de velocidade, conhecidos como pitot, enviaram informações incorretas. Mas eles ressaltaram que ainda é muito cedo para dizer se esta falha está ligada à causa do acidente.

Os sensores do avião da Air France foram fabricados pela Thales, que se negou a comentar sobre as investigações.

De acordo com a Airbus, os sensores Thales são uma alternativa opcional aos sensores no modelo básico do A330, que são fabricadas pela norte-americana Goodrich.

Os sensores estão entre vários componentes que as companhias aéreas podem escolher entre diferentes fabricantes.

(Reportagem de Tim Hepher)

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG