Ainda não é hora de negociar com os talibãs (militar americano)

As condições ainda não estão favoráveis no Afeganistão para começar negociações com os insurgentes talibãs, disse nesta segunda-feira o chefe do Estado Maior conjunto americano, almirante Michael Mullen, durante uma entrevista coletiva.

AFP |

Além disso, o almirante estimou que a retirada militar dos soldados americanos do Iraque, previsto para 2011 segundo o projeto de acordo entre Bagdá e Washington, dependerá da situação no terreno.

"Acho que é importante que certas condições sejam cumpridas", declarou Mullen, referindo-se à retirada americana.

O ministro das Relações Exteriores iraquiano, Hoshyar Zebari, e o embaixador americano em Bagdá, Ryan Crocker, assinaram nesta segunda-feira um acordo preliminar de segurança entre os dois países, um dia depois de sua aprovação pelo governo iraquiano.

O projeto ainda precisa passar pelo crivo do parlamento do Iraque, que fez a primeira leitura do texto nesta segunda-feira e deve realizar a votação no dia 24 de novembro.

Depois disso, o acordo também deverá ser aprovado pela presidência coletiva do Iraque, o Conselho Presidencial, antes que o primeiro-ministro iraquiano, Nuri al Maliki, e o presidente americano, George W. Bush, o assinem.

O acordo prevê a retirada total das tropas americanas do Iraque até o fim de 2011. Os Estados Unidos ainda mantêm 152.000 militares em território iraquiano, espalhados por cerca de 400 bases.

dab/ap/sd

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG