AIEA teme que decisão do Irã dificulte acordo nuclear

A Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) teme que o plano do Irã de começar a produzir urânio altamente enriquecido atrapalhe as chances de salvar um acordo já proposto de fornecimento de combustível entre Teerã e as potências Ocidentais, disse a porta-voz nesta segunda-feira.

Reuters |


Ela confirmou que o Irã notificou a agência nuclear da Organização das Nações Unidas (ONU) de sua intenção de começar a enriquecer urânio a um nível mais alto, uma decisão que aumenta as suspeitas ocidentais de que o Irã pretende desenvolver bombas nucleares.

"O diretor-geral da AIEA, Yukiya Amano, notou com preocupação essa decisão, uma vez que ela pode afetar, em particular, os esforços internacionais para garantir a disponibilidade do combustível nuclear para um reator de pesquisa de Teerã", afirmou a porta-voz Gill Tudor em comunicado. "(Amano) reiterou que a agência desempenha um papel de mediador na questão do reator de pesquisa de Teerã".

Tensão

Nesta segunda-feira, os governos dos Estados Unidos e da França afirmaram que novas sanções contra o Irã são o " único caminho " para impedir que o país continue o desenvolvimento de seu programa nuclear.

Autoridades iranianas e representantes dos Estados Unidos e da União Europeia não conseguiram chegar a um acordo sobre o programa.

De acordo com propostas que vêm sendo discutidas desde outubro, 70% do urânio iraniano seriam enviados ao exterior com baixo índice de enriquecimento (3,5%).

O material iria para Rússia ou França, para ser então enriquecido a 20% e transformado em combustível para reatores.

A base para o acordo seria o entendimento fechado entre o Irã, a Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) e o chamado grupo P5+1 - formado pelos cinco países do Conselho de Segurança da ONU (Estados Unidos, Rússia, China, Grã-Bretanha e França) mais a Alemanha.

Leia mais sobre Irã

    Leia tudo sobre: irã

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG