AIEA denuncia Síria ao Conselho de Segurança por atividades nucleares

Segundo texto, regime sírio estaria reconstruindo em segredo usina nuclear em região bombardeada por Israel em setembro de 2007

iG São Paulo |

O conselho de governadores da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) denunciou a Síria nesta quinta-feira ao Conselho de Segurança das Nações Unidas por reconstruir em segredo um reator nuclear perto de Deir Alzour, região remota no nordeste do país bombardeada por Israel em setembro de 2007.

AP
Cadeira do representante sírio na reunião do conselho de governadores da AIEA, em Viena, na Áustria
Segundo a resolução aprovada em Viena com os votos dos países ocidentais que são liderados por Estados Unidos e União Europeia (UE), o regime sírio violou seu acordo de controles com a AIEA.

O texto recebeu 17 votos a favor, seis contra e 11 abstenções, segundo informaram diplomatas presentes na votação. Rússia e China, ambos com direito de veto no Conselho de Segurança, votaram contra, da mesma forma que Azerbaijão, Venezuela, Equador e Paquistão. Já Brasil, Argentina, Chile e Peru se abstiveram na votação, o que ajudou o bloco ocidental a adotar a resolução.

O texto aprovado se baseia no mais recente relatório do organismo sobre a Síria, no qual se assegura que, de acordo com as evidências reunidas durante quase três anos, Damasco estava prestes a completar o que seria um reator nuclear construído de forma clandestina.

O documento revela que "a construção não declarada de um reator nuclear e o fato de não ter fornecido a informação sobre o desenho da instalação constitui uma violação dos artigos 41 e 42 do acordo de salvaguarda da Síria em relação com o Tratado de não-proliferação nuclear". Além disso, a Síria teria "descumprido suas obrigações em virtude de seu acordo de salvaguardas com o organismo no contexto do artigo 12.C do estatuto do organismo".

Cooperação

A AIEA começou a investigar evidências sobre a suposta construção do reator sírio em junho de 2008, mas o governo do país árabe se recusou a cooperar com a agência e não permitiu a presença de inspetores da ONU em regiões como Deir Alzour.

Por isso, o conselho decidiu informar os Estados-membros da AIEA e o Conselho de Segurança sobre os descumprimentos da Síria, um estreito aliado do Irã, país que também enfrenta a comunidade internacional por suas atividades nucleares.

O Conselho de Segurança das Nações Unidas tem o poder de ditar sanções contra a Síria para forçar uma maior cooperação por parte do governo de Damasco. Aeronaves israelenses bombardearam a instalação nuclear de Al Kibar em setembro de 2007, incidente que só foi denunciado pela Síria vários dias mais tarde. Os EUA asseguraram meses depois que a Síria ia construir nesse lugar um reator nuclear com ajuda de técnicos norte-coreanos.

Ao permitir a entrada dos inspetores a algumas regiões do país, autoridades sírias asseguraram que no local bombardeado por forças israelenses encontrava-se um complexo militar convencional.

*Com EFE e BBC

    Leia tudo sobre: síriaprograma nuclearusinaaieaonueua

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG