AIEA alerta sobre falta de meios para garantir segurança nuclear

Viena, 29 set (EFE).- O diretor-geral da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA), Mohamed El Baradei, alertou hoje sobre a falta de meios do organismo para evitar acidentes ou ataques nucleares e disse que os programas atômicos de Coréia do Norte e Irã são os que mais preocupam.

EFE |

"É necessário saber que nem tudo está bem na AIEA", disse Baradei no discurso de hoje diante do plenário da entidade realizado em Viena e que reúne 145 países.

O diplomata egípcio alertou que não há relação entre o que os Estados-membros pedem, a autoridade legal e os recursos de que o organismo dispõe.

Além disso, Baradei destacou os programas atômicos da Coréia do Norte e do Irã como principais problemas na agenda da AIEA, que é encarregada de manter o uso pacífico da energia nuclear.

O diplomata lembrou que após seis anos de trabalho ainda não houve progressos para provar a "ausência de material ou de atividades nucleares não declaradas no Irã".

Embora Baradei tenha reconhecido que as contínuas inspeções tiveram êxitos, sobretudo em relação ao alcance do programa de enriquecimento de urânio, reiterou que o programa atômico de Teerã continua sendo preocupante.

Baradei afirmou que apesar de o país só ter produzido uma pequena quantidade de urânio pouco enriquecido, que está sob controle da AIEA, "é ainda uma causa de preocupação para a comunidade internacional devido à ausência de clareza total sobre o passado e o presente do programa nuclear do Irã".

Quanto à Coréia do Norte, o diretor da AIEA lembrou que o Governo de Pyongyang informou na semana passada que retomará as atividades de produção de plutônio, um dos materiais essenciais na fabricação de bombas atômicas, das quais o país asiático já dispõe de um pequeno arsenal.

Apesar dos inspetores da AIEA terem sido expulsos de parte das instalações de Yongbyon, Baradei se mostrou esperançoso de que "possam ser criadas as condições para que a Coréia do Norte retorne ao Tratado de Não-Proliferação (TNP)" o mais rápido possível. EFE as/fh/rr

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG