As tropas etíopes que enfrentam em Mogadíscio os insurgentes islamitas degolaram muitas vítimas nos últimos meses, denunciou a organização de defesa dos direitos Anistia Internacional (AI).

Em um relatório divulgado em Nairóbi, a AI responsabiliza todas as partes envolvidas no conflito pelas mortes e o sofrimento dos civis e destaca a "crescente" violação dos direitos humanos na Somália por parte dos soldados etíopes.

"Houve um aumento considerável das execuções sumárias de civis por parte de soldados etíopes em novembro e dezembro de 2007", afirma o informe, que denuncia as execuções apresentadas como "a degola da cabra".

O Exército etíope, que está na Somália para apoiar o governo de transição, expulsou entre o fim de 2006 e 2007 os militantes islamitas que controlavam o centro e o sul do país.

As tropas etíopes, os soldados e o governo somali são alvo dos insurgentes que executam ações de guerrilha em Mogadíscio e no interior do país.

"Aos habitantes da Somália matam, estupram, torturam. O saque é generalizado e bairros inteiros foram destruídos", disse Michelle Kagari, subdiretora da AI para a África.

jmm/fp

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.