AI aponta que mais de mil presos enfrentam pena de morte no Iraque

Londres, 31 ago (EFE).- O sonho de que a queda do regime de Saddam Hussein fosse pôr um fim às torturas e aos massacres no Iraque não se tornou realidade, já que mais de mil presos ainda estão condenados à pena de morte no país, segundo a organização humanitária Anistia Internacional (AI).

EFE |

Em um relatório sobre a situação no Iraque, a AI afirma que o "destrambelhado sistema judiciário" iraquiano mal consegue atender crimes comuns e que a situação com condenações à morte é ainda pior.

A ONG, com sede em Londres, pede uma "moratória imediata" a todas as execuções e afirma que a de Hussein lembrou a "brutalidade" de seu regime.

"Muitos iraquianos que ficaram traumatizados pelas políticas de Hussein esperavam que um novo capítulo fosse aberto, no qual os direitos humanos fossem respeitados e mantidos, e que a tortura, os massacres e a pena de morte ficassem só como uma lembrança ruim do passado", aponta o texto.

"Seis anos depois (da queda do regime em 2003), quando mil presos enfrentam a perspectiva da execução, esse sonho desapareceu", afirma a AI.

Dos mais de mil prisioneiros que foram condenados à pena de morte no Iraque, 150 esgotaram todas as formas de apelação.

O diretor das campanhas da AI no Reino Unido, Tim Hancock, disse que é "extremamente alarmante" a quantidade de prisioneiros que serão executados no Iraque.

"Quando as autoridades iraquianas restabeleceram a pena de morte (em agosto de 2004) afirmaram que era necessária, para fazer frente à violência no país", acrescenta a AI, que aponta, no entanto, que não há provas de que essa medida tenha um efeito dissuasivo. EFE vg/pd

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG