Ahmanidejad reivindica reeleição, Polícia detém opositores

A detenção de opositores e novos protestos aumentaram neste domingo a tensão no Irã, após os distúrbios pela contestada reeleição do presidente ultraconservador Mahmud Ahmadinejad, que disse que os iranianos manifestaram o seu repúdio aos opressores que governam o mundo.

AFP |

O principal candidato opositor, Mir Hosein Musavi, fez um apelo para que as manifestações sejam mantidas "de forma pacífica" para pedir uma revisão das eleições que, a seu ver, foram manchadas por irregularidades.

Cerca de 170 pessoas, 70 delas consideradas "organizadoras" dos protestos, foram detidas, indicou o subchefe da Polícia, Ahmed Reza Radan, citado pela agência oficial IRNA.

No domingo ao meio-dia, novos incidentes eclodiram em Teerã entre cerca de 200 partidários do candidato opositor Mir Hosein Musavi e as forças de segurança, que usaram bombas de gás lacrimogêneo para dispersá-los.

À tarde, a Polícia efetuou tiros para o alto para obrigar os manifestantes a recuar em uma avenida da capital.

Ahmadinejad, que no final da tarde participará das celebrações por sua reeleição, afirmou que a alta taxa de participação nas eleições (mais de 84% dos eleitores) foi "um duro golpe (...) para o sistema de opressão que governa o mundo".

Segundo os resultados oficiais, o atual mandatário, no poder desde 2005, obteve 63% dos votos, contra 34% para Musavi.

No sábado, já havia dito que o processo eleitoral foi "totalmente livre" e que havia permitido a ele alcançar uma "grande vitória".

Musavi, um ex-primeiro-ministro conservador moderado, denunciou irregularidades "claras e numerosas" em uma eleição "manipulada" e advertiu para o risco de o Estado clerical instaurado há três décadas pela Revolução Islâmica se transformar em uma tirania.

Ahmadinejad, de 52 anos, recebeu no sábado o apoio do aiatolá Ali Khamanei, líder supremo e maior nome da hierarquia do Estado iraniano, que saudou a reeleição e pediu ao país que se una em torno do presidente.

Os protestos de sábado provocaram violentos enfrentamentos entre manifestantes e policiais em Teerã.

A capital não vivia atos de violência desta magnitude desde os distúrbios estudantis de julho de 1999.

A eleição tornou evidentes as profundas divisões do país. Ahmadinejad tem seu principal apoio no coração rural do país e entre os pobres, enquanto as grandes cidades, os jovens e as mulheres são a base de Musavi.

A reeleição frustrou as esperanças ocidentais de uma mudança na cúpula do poder iraniano, após quatro anos de tensões devido às supostas intenções de Ahmadinejad de produzir a arma atômica na República Islâmica e por seu discurso contra Israel.

Em suas declarações deste domingo, o presidente reiterou a sua rejeição em iniciar as negociações nucleares, assegurando que esse debate "é coisa do passado".

O vice-presidente norte-americano Joe Biden disse neste domingo que há "uma enorme dúvida" sobre o resultado das eleições iranianas.

França e Alemanha expressaram sua preocupação com a violenta repressão dos protestos.

Israel pediu que se ponha fim "ao terrorismo iraniano".

Os países e movimentos amigos do Irã -Síria, Venezuela, o movimento islâmico palestino Hamas e o Hezbollah libanês- felicitaram o atual presidente iraniano por sua reeleição.

bur/dm

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG