Mohamad Shivafar. Teerã, 5 ago (EFE).- O presidente do Irã, Mahmoud Ahmadinejad, tomou posse hoje para seu segundo mandato, diante de um Parlamento fortemente protegido pela Polícia e rodeado por milhares de pessoas que expressaram sua rejeição aos resultados das eleições do dia 12 de junho.

A Polícia iraniana montou hoje um dos maiores esquemas de segurança dos últimos dias nos arredores do Parlamento, para conter os protestos da oposição e as concentrações durante o ato de posse, que aconteceu na manhã de hoje.

"Eu, como presidente da República Islâmica do Irã, juro diante do sagrado Corão, da nação iraniana e diante de Deus, que serei o guarda da religião oficial, da República islâmica e da Constituição", recitou o líder, em um ato liderado pelo Presidente do Parlamento, Ali Larijani.

O presidente iraniano disse, além disso, que não tem nenhum outro desejo além de servir ao povo e ao Irã e acrescentou que seu país está disposto a colaborar com outras nações, mas alertou que "não suporta a falta de educação de algumas".

"Alguns países dizem que reconhecem o novo Governo, mas não nos felicita, então nós dizemos a eles que o nosso povo não espera sua felicitação", disse Ahmadinejad, diante de um Parlamento marcado pela ausência de muitos membros.

Segundo a agência de notícias "Ilna", havia duas fileiras de assentos vazios no fundo do Parlamento, "no importante" ato desta manhã, e os convidados ficaram nas duas da frente.

Apesar da forte presença policial e do fechamento da estação de metrô de Baharestan, próxima ao Parlamento, milhares de pessoas ocuparam as calçadas das ruas nas imediações do Parlamento, de forma pacífica.

As forças policiais e os guardiães da revolução islâmica, que impediam o povo de se aglomerar nas calçadas, ordenaram, além disso, o fechamento de todo o comércio e estabelecimentos na região, para impedir que os cidadãos se agrupassem nas proximidades do Parlamento.

Durante esta manhã, a Polícia prendeu dezenas de pessoas nas ruas de Yomhuri e de Sepahsalar, assim como na praça de Baharestan, no centro de Teerã.

Na rua Sepahsalar, onde houve enfrentamentos com a Polícia, os agentes gravaram imagens dos manifestantes.

Segundo a Agência Efe, pelo menos dez pessoas, com as mãos algemadas, foram levadas para o interior de um furgão policial, nas imediações da sede parlamentar.

Algumas testemunhas afirmaram que outras cinco jovens foram conduzidas até um veículo, aparentemente um carro policial camuflado, enquanto faziam um sinal de vitória e avisavam aos demais manifestantes que estava sendo detidas.

Após o anúncio do resultado das eleições do dia 12 de junho, os partidários dos dois candidatos reformistas saíram às ruas nas principais cidades iranianas, especialmente em Teerã, para protestar contra a apuração eleitoral.

As manifestações foram reprimidas fortemente pelos membros da milícia islâmica Basij e pelos guardiães da revolução, o que resultou em 20 mortes e milhares de prisões, segundo dados oficiais.

Na segunda-feira passada, o líder supremo iraniano, o aiatolá Ali Khamenei, concedeu a Ahmadinejad a ordem assinada para ratificar seu segundo mandato na Presidência.

Não participaram do ato o chefe da Assembleia de Analistas, o aiatolá Ali Akbar Hashemi Rafsanjani, e outros reformistas como o ex-presidente iraniano, Mohamad Khatami, que questionaram os resultados eleitorais que confirmaram o segundo mandato de Ahmadinejad.

Após a posse de hoje, Ahmadinejad conta com um prazo de duas semanas para apresentar ao Parlamento os membros de seu novo gabinete. EFE msh/pd

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.