Ahmadinejad reúne-se com Hisbolá e Hamas em Damasco

Beirute, 26 fev (EFE).- O presidente iraniano, Mahmoud Ahmadinejad, se reuniu ontem, separadamente, em Damasco com o secretário-geral do grupo libanês Hisbolá, Hassan Nasrallah, e com o líder do grupo palestino Hamas, Khaled Meshaal, informou hoje a televisão Al-Manar, órgão informativo do Hisbolá.

EFE |

Segundo o canal libanês, durante a reunião Ahmadinejad e Nasrallah "discutiram sobre as recentes ameaças de Israel à Síria e ao Líbano".

Este encontro ocorreu em uma breve visita de Ahmadinejad à Síria, durante a qual o líder iraniano se reuniu com o colega sírio, Bashar al-Assad, com quem assinou um acordo que permite aos cidadãos dos dois países ingressarem sem vistos.

Além disso, Ahmadinejad se encontrou com Meshaal e vários líderes de diferentes facções palestinas, que vivem exilados na Síria.

"A reunião ressaltou a importância da coordenação entre as facções palestinas e a república do Irã para enfrentar às ameaças sionistas, assim como às agressões contra os templos sagrados", afirmou o canal libanês.

Por sua vez, o presidente iraniano também manteve uma reunião com uma delegação composta por representantes cristãos e muçulmanos com quem dialogou - segundo "Al-Manar", sobre "a necessidade de conseguir uma unidade cristão-muçulmana contra os poderes da arrogância mundial".

Ontem, o ultraconservador líder iraniano advertiu de novo a Israel, e insistiu em que um eventual ataque contra a Síria desembocaria no fim do Estado israelense.

"Se a entidade sionista (Israel) repete os ataques do passado, isto significará sua expulsão. Se optar pelo caminho errado não terá lugar na região", ressaltou Ahmadinejad.

Com relação a isso, o presidente Assad destacou que seu país "está o tempo todo preparado para fazer frente a uma eventual agressão de Israel".

A visita de poucas horas de Ahmadinejad à Síria coincidiu com um aumento do tom das declarações entre Israel, por um lado, e Síria e Líbano, por outro.

Em 3 de fevereiro, o ministro da Defesa israelense, Ehud Barak, manifestou que era vital voltar às negociações de paz com a Síria porque se podia ir à guerra.

Em resposta, o ministro de Assuntos Exteriores sírio, Walid al Moualem, advertiu que, em caso de disputa, esta chegaria até as cidades israelenses.

O ministro de Assuntos Exteriores israelense, Avigdor Lieberman, respondeu um dia depois que, se a Síria provocar Israel e ocorrer uma guerra, o regime de Assad, cairá. EFE ks-nq/dm

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG