Ahmadinejad encerra campanha com ataques a adversários

O presidente do Irã, Mahmoud Ahmadinejad, terminou sua campanha à reeleição nesta quarta-feira com um pronunciamento na televisão onde acusou seus adversários de dizerem mentiras e insultos para desacreditar seu governo. Durante o pronunciamento, o presidente iraniano afirmou que gráficos e documentos sobre a situação econômica do país apresentados por seus adversários seriam falsificações feitas com a ajuda de entidades sionistas, em uma referência a companhias israelenses.

BBC Brasil |

Reuters
Mahmoud Ahmadinejad acena durante comício em Terã
Mahmoud Ahmadinejad acena durante comício em Teerã

Ele ainda afirmou que os outros três candidatos às eleições da próxima sexta-feira não têm projetos para o país.

"Todas as propagandas eleitorais são contra um candidato. Por que eles só atacam, insultam e acusam? A primeira razão é porque, se isto fosse um debate razoável, onde as atuações dos candidatos fossem avaliadas, eles não teriam nada a oferecer", disse Ahmadinejad.

Segundo Jon Leyne, correspondente da BBC em Teerã, os três outros candidatos à Presidência do Irã teriam se recusado a fazer pronunciamentos na televisão, aparentemente por não ter sido oferecido a eles o mesmo tempo de transmissão de Ahmadinejad.

Pouco antes do pronunciamento, em um comício para simpatizantes, Ahmadinejad já havia acusado os candidatos oposicionistas de mentirem sobre a situação da economia do país, e comparou as táticas dos adversários às usadas pelos nazistas.

"Estes insultos e acusações contra o governo são um retorno dos métodos de Hitler, de repetir mentiras e acusações até que todos acreditem", disse o presidente, de acordo com a imprensa local.

Ahmadinejad, que é conhecido por declarações que negam o Holocausto de judeus durante a Segunda Guerra, pediu ainda que os eleitores mandem seus adversários "para o fundo da história".

Segundo o correspondente da BBC, Ahmadinejad deve enfrentar uma disputa difícil nas urnas contra o candidato reformista Mir Houssein Mousavi. Os outros dois candidatos são o conservador Mohsen Rezai e o reformista Mehdi Karroubi.

Multidões
O dia do encerramento da campanha no Irã foi marcado por comícios e atos que levaram multidões às ruas da capital Teerã para apoiar seus candidatos.

De acordo com o correspondente da BBC, os eleitores parecem ter ficado mais entusiasmados com a campanha após uma série de debates na semana passada.

Os debates, que foram televisionados, geraram polêmica no país.

Na última terça-feira, o ex-presidente iraniano Akbar Hashemi Rafsanjani, que concorreu contra Ahmadinejad nas eleições de 2005, enviou uma carta aberta ao líder supremo do Irã, aiatolá Ali Khamenei, com pesadas críticas ao atual presidente. A carta foi publicada por diversos jornais do país.

O ex-presidente criticou declarações feitas por Ahmadinejad em um debate na semana passada, quando ele afirmou que Rafsanjani e outros políticos iranianos seriam "corruptos".

Rafsanjani classificou as declarações como "mentirosas e irresponsáveis" e pediu a Khamenei que interfira no caso.

"Dezenas de milhares de pessoas, dentro e fora do país, testemunharam estas mentiras e falsificações que atingem os motivos de orgulho de nosso sistema islâmico e violam nossa religião, lei, moral e a justiça", diz a carta.

"Esperamos que vossa eminência tome medidas efetivas para resolver este problema, apague este incêndio e impeça que as chamas aumentem e se espalhem pelas eleições e além", diz a carta de Rafsanjani.

Leia mais sobre Eleições Irã

    Leia tudo sobre: iraira!irã

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG