Ahmadinejad critica sanções da UE e diz que não afetarão os iranianos

Teerã - O presidente iraniano, Mahmoud Ahmadinejad, criticou hoje as novas sanções impostas pela União Européia (UE) ao Irã por causa das atividades nucleares deste país, e disse que não afetarão a vontade dos iranianos, informou a televisão estatal.

EFE |

"Se os inimigos querem fechar todas as portas diante do povo iraniano, devem saber que os iranianos continuarão sua marcha rumo ao desenvolvimento", disse Ahmadinejad na cidade de Kermanshah, no oeste do Irã.

O governante iraniano não mencionou diretamente a UE, mas os EUA, ao considerar que a presença deste país na região um "suicídio" e que "o império americano está acabando", segundo a agência "Irna".

A UE decidiu na segunda-feira passada impor novas sanções a várias entidades e pessoas iranianas, incluindo a principal instituição bancária, o Banco Melli, devido à recusa de Teerã em suspender o enriquecimento de urânio, que o Ocidente suspeita que tenha fins militares.

"Sobre a questão nuclear, que é o símbolo da vitória do povo iraniano, os inimigos não puderam e não poderão frear a marcha de nossa nação", disse Ahmadinejad, após inaugurar uma fábrica de petroquímicos em Kermanshah.

Várias autoridades iranianas, incluindo o ex-principal negociador em matéria nuclear e presidente do Parlamento, Ali Larijani, condenaram a medida européia por ser "paradoxal" e "injustificável".

O regime iraniano, que afirma que seu programa é pacífico, afirmou várias vezes que não teme as sanções e que não suspenderá o enriquecimento de urânio sob as pressões dos países ocidentais.

Vários comentaristas no Irã destacaram nas últimas semanas que Teerã tinha começado a retirar seus fundos em bancos europeus por temer que sejam bloqueados em conseqüência de sua recusa em renunciar ao enriquecimento de urânio.

Leia mais sobre: Irã - sanções

    Leia tudo sobre: irãunião européia

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG