El Clarín - Mundo - iG" /

Agentes fiscais fazem busca no jornal argentino El Clarín

BUENOS AIRES - Autoridades fiscais argentinas inspecionaram os escritórios do maior jornal do país, nesta quinta-feira, aumentando as tensões entre o governo e um dos maiores grupos midiáticos da América Latina. Mais de 150 fiscais fizeram as buscas em Buenos Aires no escritório do jornal El Clarín, de propriedade do Grupo Clarín.

Reuters |

As buscas ocorrem em meio às tentativas da presidente argentina, Cristina Kirchner, de aprovar uma nova proposta de reforma da radiodifusão no país. Analistas dizem que isso enfraquecerá a posição do Grupo Clarín como empresa de mídia dominante na Argentina.

O ex-presidente argentino e marido de Cristina, Néstor Kirchner, fez críticas públicas à cobertura feita pelo "Clarín" do governo, classificando-a de tendenciosa, e descreveu o grupo como um "monopólio".

Reprodução

Primeira página do jornal argentino "El Clarín", desta quinta-feira

O jornal respondeu com uma intensa cobertura negativa da proposta de reforma.

O Grupo Clarín possui jornais, emissoras de rádio e televisão, assim como empresas de Internet e cabo. As ações da empresa caíram 1,6%, nesta quinta-feira, na Bolsa de Valores de Buenos Aires, enquanto emissoras locais cobriam a ação fiscal.

Um porta-voz da agência fiscal Afip disse que as buscas destinavam-se a examinar os balanços da companhia e eram similares a inspeções realizadas em outras empresas.

Mas o porta-voz do Grupo Clarín, Martin Etchevers, questionou a ação e disse que a empresa havia sido selecionada.

"Este tipo de inspeção nunca ocorreu na história do 'Clarín'", disse a um canal de televisão local.

Na semana passada, o diretor do órgão regulador de radiodifusão argentino disse ter vetado a fusão das duas operadoras de TV a cabo do país, controladas pelo Grupo Clarín, uma decisão criticada por representantes da empresa.

Deputados argentinos debatem a proposta de reforma apresentada pela presidente do país, que alteraria as regras da radiodifusão criadas durante a ditadura militar entre 1976-83.

Leia mais sobre governo Kirchner

    Leia tudo sobre: argentinaclarinkirchner

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG