Agência de inteligência do Paquistão diz estar 'constrangida' com falhas sobre Bin Laden

Autoridade da ISI diz que complexo onde líder da Al-Qaeda se escondia tinha sido alvo de busca em 2003

iG São Paulo |

A principal agência de inteligência do Paquistão, a ISI, disse nesta terça-feira que está "constrangida" com as falhas que cometeu na busca ao líder da rede Al-Qaeda, Osama bin Laden.

Um oficial da ISI disse à rede britânica BBC que o complexo de casas na cidade paquistanesa de Abbottabad, onde Bin Laden foi morto por forças dos EUA, tinha sido alvo de uma busca em 2003. Segundo o oficial, entretanto, o complexo "não estava no nosso radar" desde então.

O oficial, que não quis ser identificado, disse que o complexo em Abbotabad, localizado a cerca de 100 quilômetros da capital paquistanesa, foi alvo de uma batida quando ainda estava sendo construído, em 2003.

Acreditava-se que um integrante da Al-Qaeda, Abu Faraj al-Libi, estivesse no local. "É constrangedor para a ISI. Somos bons, mas não somos Deus", afirmou.

O complexo de casas onde Bin Laden foi encontrado e morto no domingo está a poucas centenas de metros da Academia Militar do Paquistão, uma das principais do país.

Zardari

O presidente do Paquistão, Asif Ali Zardari, negou que as autoridades do seu país soubessem do paradeiro de Osama bin Laden, afirmando que o país "nunca foi nem nunca será o foco de fanatismo como é muitas vezes descrito pela mídia". A afirmação foi feita em um artigo assinado por ele e publicado nesta terça-feira pelo diário americano "The Washington Post".

"Essas especulações infundadas (de que autoridades sabiam do paradeiro de Bin Laden) podem produzir notícias emocionantes, mas não refletem a realidade", disse o líder paquistanês. "O Paquistão teve tanta razão para desprezar a Al-Qaeda como qualquer outra nação. A guerra contra o terrorismo é tanto a guerra do Paquistão como é da América."

O líder acrescentou que o Paquistão, que tem sofrido repetidos ataques terroristas contra civis e contra seus serviços de segurança, "tinha pago um preço enorme por sua luta contra o terrorismo". "Mais de nossos soldados morreram do que todas as vítimas da Otan juntas. Dois mil policiais, quase 30 mil civis inocentes e uma geração de progresso social para o nosso povo foi perdida."

Zardari disse que, embora os dois países não tenham trabalhado juntos na operação específica, "uma década de cooperação e parceria entre os Estados Unidos e o Paquistão levaram à eliminação de Osama bin Laden como uma ameaça constante para o mundo civilizado".

Com BBC

    Leia tudo sobre: paquistãobin ladeneuaobamaterrorismoal-qaeda

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG