Agência da ONU reconhece fracasso de diálogo nuclear com o Irã

Missão da AIEA deixa Teerã sem acordo e impedida pelo governo de visitar instalação atômica em Parchin

iG São Paulo |

A agência nuclear da Organização das Nações Unidas (ONU) afirmou nesta quarta-feira que fracassaram as negociações com o Irã sobre seu programa atômico, após a visita de uma missão do órgão a Teerã.

Uma equipe da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) esperava inspecionar uma instalação em Parchin, a sudeste de Teerã, onde a agência acredita haver uma câmera de contenção para testar explosivos, sugerindo um possível desenvolvimento de armas. O Irã, que afirma que seu programa nuclear tem fins pacíficos, impediu que a visita acontecesse.

Leia também: Irã ameaça lançar ataque preventivo em disputa nuclear

AP
Herman Nackaerts (centro), chefe da missão da AIEA no Irã, concede entrevista após deixar Teerã e desembarcar no aeroporto de Viena

"Durante a primeira e segunda rodada de discussões, a equipe da agência solicitou acesso à instalação militar de Parchin. O Irã não concedeu a permissão para que essa visita ocorresse", disse a AIEA em nota divulgada na sua sede, em Viena. "Nos envolvemos em um espírito construtivo, mas nenhum acordo foi alcançado.”

Mais cedo, o enviado do Irã à ONU, Ali Asghar Soltanieh, disse à agência iraniana de notícias Isna que Teerã esperava manter mais discussões com a AIEA, cujo objetivo é impedir a difusão de armas nucleares pelo mundo.

Mas Gill Tudor, porta-voz do diretor-geral da AIEA, Yukiya Amano, deixou claro que não há outras reuniões planejadas. "A esta altura, não há acordo ou novas discussões", disse ela.

O fracasso dos dois dias de reuniões pode atrapalhar a eventual retomada de negociações nucleares mais amplas entre o Irã e seis potências mundiais, e contribuir com a tensão do país com o Ocidente, que nos últimos meses intensificou suas sanções a Teerã .

Pouco depois de o comunicado ser emitido, o líder supremo do Irã, aiatolá Ali Khamenei, disse, em discurso transmitido pela TV estatal, que nada vai alterar o programa atômico do país.

"Com a ajuda de Deus, e sem prestar atenção na propaganda, o curso nuclear do Irã deve continuar de maneira firme e séria. Pressões, sanções e assassinatos não terão resultados. Nenhum obstáculo irá impedir o trabalho", afirmou.

"Pressões, sanções e assassinatos não irão frutificar. Nenhum obstáculo poderá impedir o trabalho nuclear do Irã."

Em Washington, o porta-voz governamental Jay Carney disse que os EUA continuam avaliando as intenções iranianas depois da carta enviada na semana passada por Teerã à União Europeia com um aceno de retomada das negociações.

"Essa ação em particular do Irã sugere que eles não alteraram seu comportamento quando se trata de cumprir suas obrigações internacionais", disse Carney, manifestando a frustração dos EUA com o fracasso da missão da AIEA.

O Irã enfrenta diversas sanções internacionais por sua recusa em abrir mão do programa nuclear, e cidadãos comuns já enfrentam dificuldades por causa da disparada dos preços e da desvalorização da moeda local, em consequência do isolamento internacional.

Além disso, vários cientistas nucleares iranianos foram mortos nos últimos dois anos em atentados que Teerã atribuiu ao seu arqui-inimigo Israel.

iG explica: Saiba mais sobre o Estreito de Ormuz

Em resposta a isso, a República Islâmica tem feito declarações reafirmando seu direito à autodefesa e ameaçando bloquear o Estreito de Ormuz , entrada do golfo Pérsico, que é parte de uma rota marítima crucial para o comércio internacional de petróleo.

Com AP e Reuters

    Leia tudo sobre: irãkhameneiprograma nuclearonuaieaeua

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG