Agência da ONU acusa Itália de maus-tratos a migrantes

GENEBRA (Reuters) - A agência da Organização das Nações Unidas (ONU) para refugiados acusou a Itália na terça-feira de maltratar migrantes africanos que foram impedidos de chegar à Europa pelo mar e foram conduzidos para a Líbia. Funcionários da Acnur que entrevistaram 82 migrantes interceptados em mar aberto em 1o de julho e enviados a campos de detenção na Líbia avaliaram que um número significativo desse grupo necessita de proteção internacional.

Reuters |

Seguindo leis italianas em vigor desde maio, ao menos 900 migrantes que tentavam chegar à Itália pelo mar foram enviados a outros países, principalmente para a Líbia, de acordo com o escritório do Alto Comissariado da ONU para Refugiados.

A agência com sede em Genebra diversas vezes mostrou-se preocupada com as novas regras de deportação da Itália que, segundo ela, podem limitar acesso ao asilo e ferem a lei internacional.

A Marinha italiana não buscou saber as nacionalidades dos migrantes, em sua maior parte da Eritreia, nem os motivos que os levaram a deixar a terra natal, disse a Acnur.

"Durante as entrevistas, a Acnur ouviu relatos perturbadores com acusações de que os funcionários italianos usaram a força durante a transferência para a embarcação Líbia", disse o porta-voz Ron Redmond a jornalistas. Segundo ele, seis eritreias precisaram de cuidados médicos após a operação.

A Itália classificou as acusações como falsas. O governo do primeiro-ministro Silvio Berlusconi, que tem combatido a imigração ilegal desde que assumiu o poder no ano passado, insiste que a Itália não fere a lei internacional com a nova política de deportação.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG