Afeganistão teve cerca de 1,5 milhão de votos suspeitos de fraude, avalia missão da União Europeia

CABUL - A missão de observadores eleitorais da União Europeia (UE) no Afeganistão avaliou nesta quarta-feira em 1,5 milhão os votos nas eleições presidenciais de 20 de agosto suspeitos de serem fraudulentos, 1,1 milhão deles favoráveis ao atual presidente, Hamid Karzai.

Redação com agências internacionais |

"Calculamos, até agora, 1,5 milhão de votos suspeitos" de fraude, disse, em comunicado, a chefe adjunta da missão de observadores europeus, Dimitra Ioannou.

Entre eles, 1,1 milhão foram emitidos a favor da candidatura de Karzai, 300 mil para a do ex-ministro de Exteriores Abdullah Abdullah e 92 mil para o candidato de etnia hazara Ramazan Bashardost.

Estes dois últimos candidatos denunciaram várias vezes, durante o processo eleitoral, uma fraude generalizada para que Karzai vencesse no primeiro turno, algo para o que precisa de 50% dos votos.

A missão de observadores disse ter encontrado 2,451 mil colégios nos quais 90% dos votos eram a favor de um mesmo candidato, dados correspondentes à apuração de 6 de setembro, que inclui 18,877 mil centros de votação computados.

Também encontrou um grande número de colégios nos quais a participação supera o limite previsto, por isso os considerou suspeitos de fraude.

A missão europeia expressou seu apoio à Comissão de Queixas, órgão que tinha ordenado à Comissão Eleitoral, encarregada da apuração, realizar uma nova apuração praticamente em 10% dos colégios afegãos.

Os observadores fizeram uma chamada à Comissão Eleitoral para que, durante a apuração, tome "todas as ações necessárias", de acordo com a lei eleitoral.

Segundo a Comissão de Queixas, as cédulas emitidas em 2,5 mil dos 26 mil centros de votação que abriram suas portas no dia das eleições são "suspeitas" de fraude.

A última apuração divulgada pela Comissão Eleitoral, com dados de 92,8% dos colégios, dá a Karzai 54,27% dos votos, uma porcentagem suficiente para ser proclamado presidente sem necessidade de segundo turno.

Leia mais sobre Afeganistão

    Leia tudo sobre: afeganistão

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG