Afeganistão terá segundo turno da eleição presidencial

A Comissão Eleitoral Independente, órgão que supervisiona as eleições presidenciais no Afeganistão, confirmou nesta terça-feira a realização de um segundo turno do pleito no país. Após o anúncio da Comissão, o presidente afegão, Hamid Karzai, declarou que aceita a decisão e confirmou que participará do segundo turno, marcado para o dia 7 de novembro.

BBC Brasil |

Em agosto, os afegãos foram às urnas para escolher o próximo presidente do país. Resultados preliminares indicaram que Karzai, que concorria à reeleição, teria recebido 55% dos votos, contra 28% de seu principal rival, Abdullah Abdullah.

Na segunda-feira, a Comissão para Queixas Eleitorais, um painel apoiado pela ONU, apontou que houve fraudes na eleição e que 1,3 milhão de votos - a maioria para Karzai - teriam de ser anulados, obrigando a realização de um segundo turno no país. O painel da ONU determinou que houve "sinais claros e convincentes de fraude".

'Legítima e legal'
A conclusão do painel da ONU foi mantida pela Comissão Eleitoral Independente nesta terça.

"Haverá segundo turno no dia 7 de novembro. O motivo é que a votação de Karzai foi de 49,67% e não ficou acima dos 50%", disse o porta-voz da Comissão, Noor Mohammad Noor.

"Nós acreditamos que esta decisão da Comissão é legítima, legal, constitucional e que ela fortalece o caminho para a democracia", disse Karzai a jornalistas, ao lado do senador democrata americano John Kerry, que visita a região.

Logo após o pleito, Karzai disse que não concordaria com um segundo turno, mas o presidente afegão recuou nesta terça-feira. Ele vinha sendo pressionado por autoridades ocidentais a aceitar o segundo turno ou formar um governo com a participação de Abdullah Abdullah e seus partidários.

O governo dos Estados Unidos, que lidera esforços internacionais de combate ao Talebã no país, observa de perto os acontecimentos políticos no Afeganistão. A Casa Branca está estudando um plano para enviar mais 40 mil soldados ao país na guerra contra militantes fundamentalistas islâmicos.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG