Afeganistão procura quase 900 presos libertados por talibãs

As forças afegãs e da Otan iniciaram uma vasta operação para capturar os quase 900 presos que fugiram de uma penitenciária de Kandahar, sul do país, após um ataque talibã que matou entre sete e 15 guardas, de acordo com a fonte.

AFP |

Os detentos escaparam depois que os talibãs atacaram na noite de sexta-feira a penitenciária em duas fases: vários veículos explodiram para abrir um buraco no muro da prisão e em seguida um ataque armado aconteceu para liberar o maior número de pessoas possível.

"Havia 1.052 detentos na penitenciária de Sarposa quando os talibãs atacaram. Um total de 886 prisioneiros fugiram, incluindo mais de 380 detidos por crimes contra a segurança nacional", como as autoridades denominam os talibãs, declarou o vice-ministro da Justiça, Abdul Qasim Hashimzai.

Mais de 170 reclusos permaneceram na prisão. De acordo com o vice-ministro, sete carcereiros morreram no ataque.

A Força Internacional de Assistência à Segurança (Isaf) da Otan anunciara mais cedo que mais 1.100 detentos escaparam da penintenciária de Kandahar.

"As forças de segurança afegãs, associadas a soldados da Isaf, isolaram a área e retomaram o controle. A Isaf mobilizou toda sua capacidade para capturar os fugitivos", afirmou o porta-voz da força internacional, general Carlos Branco.

Outro vice-ministro da Justiça, Mohamad Qasim Hashimzai, considerou o ataque em Kandahar o mais sofisticado executado até o momento pelos talibãs.

"Já está em prática uma grande operação para capturar os fugitivos. As forças de segurança afegãs procuram na cidade e nas estradas", afirmou.

Soldados revistam todos os veículos nas avenidas e estradas da região de Kandahar.

Pelo menos 15 carcereiros morreram no ataque, informou à AFP Walid Karzai, diretor do conselho provincial de Kandahar e irmão do presidente afegão, Hamid Karzai.

Ele disse ainda que o número de vítimas pode ser maior e que entre os fugitivos estavam muitos talibãs.

Os insurgentes islamitas reivindicaram o ataque neste sábado.

"Primeiro lançamos contra os muros dois veículos repletos de explosivos, um deles um caminhão tanque. Em seguida, nossos homens invadiram a prisão em motos e mataram os guardas de segurança", afirmou o porta-voz dos talibãs, Yusuf Ahmadi.

"Conseguimos libertar todos os prisioneiros, incluindo nossos irmãos talibãs", acrescentou.

Uma fonte dos serviços secretos afegãos já havia afirmado que entre os presos de Kandahar estavam pelo menos 400 talibãs.

O ataque dos "estudantes de teologia" (significado da palavra talibã) aconteceu um dia depois da conferência internacional de Paris que prometeu mais de 21 bilhões de dólares para a reconstrução do Afeganistão nos próximos cinco anos.

Kandahar é um dos principais redutos dos talibãs.

Desde que foram expulsos do poder no fim de 2001 por uma coalizão internacional liderada pelos Estados Unidos, os talibãs organizam uma violenta insurreição, que ganhou força nos últimos dois anos, apesar da presença de 70.000 soldados estrangeiros no Afeganistão.

str-sak/fp

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG