Afeganistão elogia estratégia de tropas alemãs no país

Berlim, 27 jan (EFE).- O presidente afegão, Hamid Karzai, elogiou hoje que a nova estratégia alemã no Afeganistão, que contempla enviar 850 soldados a mais para ao país asiático, seja orientada ao êxito e não baseada em uma data concreta para a saída das tropas alemãs de seu país.

EFE |

Karzai compareceu hoje na Chancelaria junto à chefe do Governo alemã, Angela Merkel, que considera "errado" fixar uma data para a retirada das tropas do Afeganistão. Para ela, isso daria "uma desculpa aos talibãs" para que "fiquem tranquilos" durante um tempo e planejem "quando será melhor atacar".

"Também não podemos prever agora o que acontecerá", argumentou a chanceler. Segundo ela, a Alemanha compartilha os planos do Governo de Cabul de que em 2014 a segurança do país possa ser assumida já em sua totalidade pelas forças de segurança afegãs.

Karzai insistiu que Cabul quer que a defesa do Afeganistão "esteja o mais rápido possível" em mãos do Exército e da Polícia nacionais. O líder agradeceu aos "contribuintes alemães" pelo apoio na luta contra uma "ameaça", em alusão à insurgência talibã, que também significa uma "ameaça ao resto do mundo".

Questionada se Berlim continuará enviando verbas econômicas para a política de segurança de Cabul quando as tropas se retirarem do Afeganistão, Merkel ressaltou que a "responsabilidade" da Alemanha se prolongará mesmo depois da saída do Exército.

"Caso contrário, estaríamos destruindo nosso próprio trabalho", apontou.

Nesse sentido, instou à comunidade internacional a "não esquecer ao Afeganistão" uma vez retirem a suas tropas do país e a apoiar a um Governo "estável".

"Desejamos que haja um Governo transparente no Afeganistão", disse Merkel, que expressou o desejo de que a relação entre Berlim e Cabul seja "tão próxima" que permita a troca de "comentários críticos".

Merkel espera que a conferência sobre o Afeganistão a ser realizada amanhã em Londres abra "uma nova fase" para a missão internacional nesse país. EFE nvm/sa

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG