Afeganistão é prioridade de novo secretário-geral da Otan

O novo secretário-geral da Otan, Anders Fogh Rasmussen, afirmou que a prioridade da organização deve ser a guerra no Afeganistão, incluindo negociações com integrantes moderados do Taleban.

BBC Brasil |

Reuters
Rasmussen concede sua primeira entrevista coletiva como secretário-geral da Otan

Rasmussen concede sua primeira entrevista coletiva
como secretário-geral da Otan

Rasmussen, que já foi primeiro-ministro da Dinamarca, disse que existem "grupos com os quais se pode conversar". "A Otan é uma aliança militar forte e nós precisamos de um esforço militar forte no Afeganistão", afirmou ele, em entrevista coletiva.

O novo secretário-geral da organização afirmou que "muito está em jogo", internacionalmente e para a Otan, no Afeganistão. Ele acrescentou que aprova o aumento do número de soldados no país, prometido pelos aliados da Otan, mas deixou claro que "esta não é apenas uma solução militar. Temos que aumentar nossos esforços civis também".

Apoio

"Para conseguir a paz e conquistar corações e mentes precisamos fornecer ao povo afegão melhores oportunidades de vida e apoiar o governo para melhorar os processos democráticos."

O novo secretário-geral da Otan afirmou também que a prioridade da organização é dar apoio às instituições afegãs para que elas consigam então assumir toda a responsabilidade pela segurança, lei e ordem.

"O objetivo no longo prazo deve ser progredir de forma concreta e visível para transferir a responsabilidade de segurança para os afegãos. Acredito que, durante meu mandato como secretário-geral da Otan, os afegãos devem assumir a responsabilidade pela segurança na maior parte do país."

Mas Rasmussen deixou claro que a Otan estará no país para apoiar. "Que nenhum propagandista do Taleban tente vender minha mensagem como (se a Otan) estivesse correndo para a saída: não é", disse.

Ataque

No entanto, enquanto Rasmussem dava as declarações na sede da Otan em Bruxelas, no Afeganistão mais um ataque a bomba matava pelo menos 12 pessoas.

Policiais informaram que o ataque contra um comboio da polícia em Herat deixou outras 20 pessoas feridas. Os ataques de insurgentes contra as forças de segurança afegãs aumentaram antes das eleições presidenciais do dia 20 de agosto.

Rússia

Rasmussem afirmou que sua segunda prioridade será melhorar as relações com a Rússia. Mas ele admitiu que enfrentará dificuldades. Às vésperas do primeiro aniversário do rápido conflito entre a Rússia e a Geórgia, ele disse que o confronto teve "um impacto muito negativo nas relações entre a Otan e a Rússia".

O conflito teve início no dia 7 de agosto de 2008 quando a Geórgia tentou retomar o controle da Ossétia do Sul. A Rússia reagiu rapidamente ao ataque e aumentou sua presença militar na região e em outra área separatista da Geórgia, a Abkhazia.

Nesta segunda-feira em Bruxelas, Rasmussen afirmou que apesar disso, as divergências entre Otan e Rússia não devem ofuscar as questões de segurança como o terrorismo.

"Enfrentamos disputas reais em várias áreas. Mas acredito que é um desafio muito importante convencer o povo russo e a liderança russa de que a Otan não é um inimigo da Rússia, a Otan não está dirigida contra a Rússia", afirmou.

Leia mais sobre Otan

    Leia tudo sobre: afeganistãootanrússia

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG