Afeganistão critica trégua nas zonas tribais do Paquistão

O ministro afegão das Relações Exteriores, Rangin Dadfar Spanta, afirmou nesta quarta-feira, nas Nações Unidas, que a trégua militar observada pelo governo paquistanês nas zonas tribais do Paquistão tem um impacto negativo na segurança do Afeganistão.

AFP |

"Uma das principais causas do agravamento da situação (no Afeganistão) é a trégua de fato que permanece nas zonas tribais do outro lado da fronteira", disse Spanta durante um debate no Conselho de Segurança sobre a situação de seu país.

O ministro citou as discussões que existem entre as autoridades paquistanesas e o senhor da guerra pró-talibã Baitullah Mehsuh, que foi acusado pelos Estados Unidos de ser o responsável pelo assassinato, em dezembro passado, da ex-primeira-ministra Benazir Bhutto.

Nesta terça-feira, responsáveis afegãos acusaram Islamabad de estar envolvido no atentado suicida contra a embaixada da Índia em Cabul, que deixou 41 mortos, afirmando que o ataque tem a marca dos serviços de inteligência paquistaneses.

"O inimigo terrorista que enfrentamos é apoiado por uma complexa série de redes e infra-estruturas e não pode ser derrotado apenas por operações militares no Afeganistão", disse Spanta.

hc/LR

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG