AF 447: sondas Pitot cada vez mais questionadas

Oito dias depois do acidente do voo AF 447 que fazia a ligação entre Rio de Janeiro e Paris, a investigação está se focalizando nos sensores Pitot, que permitem controlar a velocidade dos aviões e que deram medidas incoerentes aos pilotos do A330 da Air France que caiu no Atlântico na noite de 31 de junho com 228 pessoas a bordo.

AFP |

A questão do papel desempenhado por estes sensores no acidente foi levantada quando o Escritório de Investigações e Análises (BEA), encarregado da investigação técnica, anunciou ter constatado "incoerências nas diversas velocidades medidas" pelo avião antes de seu desaparecimento.

Os sindicatos de pilotos pediram a aceleração da substituição dos Pitot dos A330 da Air France. Os sindicatos minoritários Spaf e Allter chegaram a fazer um apelo aos tripulantes para que se recusassem a embarcar em um aparelho A330/340 que não tenha pelo menos dois de seus três sensores Pitot modificados.

"Há uma convergência de elementos que levam a pensar que desempenharam algum papel no acidente", explicou Michel Le Bras, piloto de A330 e membro do Spaf.

O BEA ainda não determinou se os Pitot são, de fato, os principais responsáveis pela queda do AF 447. As sondas dos aviões A330 já sofreram "um alto número de panes", declarou sábado o diretor do organismo, Paul-Louis Arslanian, destacando, porém, que isso não significa que se os sensores não forem substituídos o avião se tornará necessariamente mais perigoso.

"A perda das três informações de velocidade não é a única causa da tragédia, mas é muito provável que tenha contribuído" para a queda do avião, resumiu Erick Derivery, do sindicato SNPL.

Outros elementos devem ser levados em conta, como as condições meteorológicas difíceis na região do acidente.

A substituição das sondas Pitot, fabricadas pelo grupo de eletrônica Thales e que equipam alguns Airbus A320, A330 e A340, foi recomendada pela própria Airbus em setembro de 2007, mas as companhias aéreas tinham total liberdade para seguir ou não esta recomendação, destacou a construtora. Em outras palavras, ela não tinha o mesmo caráter obrigatório que uma "diretriz de navegabilidade" da Agência Europeia de Segurança Aérea (AESA).

Depois de constatar, em 2008, problemas de funcionamento em um de seus aparelhos, a companhia Air Caribe decidiu trocar imediatamente todos seus sensores.

A Air France, por sua vez, trocou os Pitot de todos os A320 depois da recomendação da Airbus. A companhia decidiu em seguida substituir todas as sondas de sua frota de A330 e de A340 depois de vários incidentes constatados nestes modelos a partir de maio de 2008. O programa de substituição foi lançado em 27 de abril de 2009.

Depois da queda do AF 447, a Air France decidiu que a partir desta terça-feira, 9 de junho, todos os A330 e A340 terão pelo menos dois novos Pitot, de um total de três, segundo o sindicato de pilotos SNPL.

No entanto, uma mudança tão rápida é considerada quase "impossível" pelo Spaf.

jmi/yw/sd

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG