Aécio desiste de pré-candidatura à Presidência pelo PSDB

O governador de Minas Gerais, Aécio Neves, anunciou nesta quinta-feira ter desistido de disputar a candidatura à Presidência da República pelo PSDB, abrindo caminho para que o governador de São Paulo, José Serra, seja o candidato do partido nas eleições de 2010. A decisão foi anunciada por Aécio por meio de uma carta pública aos líderes e à militância tucana.

BBC Brasil |

Um dos principais nomes do PSDB, Aécio por diversas vezes defendeu que fossem feitas prévias para que os filiados decidissem entre ele e Serra, sem que houvesse consenso para a realização desse processo.

Na carta onde anuncia sua desistência, ele lembra de sua insistência pela realização das prévias e afirma que sua decisão está relacionado ao fato de o PSDB não ter definido ainda quem será o candidato à sucessão do presidente Lula.

"Sempre tive consciência de que uma construção com essa dimensão e complexidade não poderia ser realizada às vésperas das eleições. Quando sinalizei o final do ano como último prazo para algumas decisões, simplesmente constatava que, a partir deste momento, o quadro eleitoral estaria começando a avançar em um ritmo e direção próprios, e a minha participação não poderia mais colaborar para a ampla convergência que buscava construir", diz a carta.

"Deixo a partir deste momento a condição de pré-candidato do PSDB à Presidência da República, mas não abandono minhas convicções e minha disposição para colaborar, com meu esforço e minha lealdade, para a construção das bandeiras da Social Democracia Brasileira."
No documento, Aécio não deixa claro quais serão seus próximos passos, mas ele já havia afirmado que poderia concorrer ao Senado caso não fosse candidato à Presidência.

Segundo uma pesquisa CNI/Ibope divulgada no início no mês, em um cenário em que Aécio seria o candidato tucano, o governador de Minas ficaria em terceiro lugar nas intenções de voto, atrás de Ciro Gomes, que venceria a disputa, e da ministra Dilma Rousseff.

Ainda de acordo com a pesquisa, caso o candidato tucano fosse José Serra, ele teria a preferência de 38% do eleitorado, à frente de Dilma e Ciro, que aparecem empatados.

Em uma nota, o presidente nacional do PSDB, senador Sérgio Guerra, afirmou que o gesto de Aécio mostra "equilíbrio e solidariedade no sentido da convergência" do partido.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG