Advogado tenta evitar extradição de terrorista marroquino à Espanha

Rabat, 10 fev (EFE).- O advogado de Hassan El Haski, condenado na Espanha pelos atentados de Madri em 2004, pediu à Justiça marroquina que seu cliente não seja extraditado, após ter sido julgado e absolvido em seu país da acusação de participação em grupo terrorista.

EFE |

Khalil Idrisi disse à Agência Efe que fez a solicitação na segunda-feira junto ao Tribunal Administrativo de Rabat, e que espera um pronunciamento da Justiça dentro de um mês.

"Nosso objetivo é que as autoridades marroquinas possam iniciar os procedimentos jurídicos e diplomáticos necessários para que nosso cliente possa, conforme seu desejo, cumprir o resto de sua pena no Marrocos", disse ao jornal marroquino "Le Soir".

El Haski, ex-dirigente do Grupo Islâmico Combatente Marroquino (GICM), foi condenado a 14 anos de prisão pelos atentados de 11 de março de 2004 em Madri, que deixaram 191 mortos e quase 2 mil feridos.

A Justiça espanhola determinou em setembro a entrega temporária do terrorista ao Marrocos, por seis meses, para que ele fosse processado. Após este período, El Haski deve retornar à Espanha para cumprir sua pena.

Já no último dia 5 de fevereiro, o Tribunal de Apelação de Salguei absolveu o marroquino por considerar que as provas apresentadas contra ele eram insuficientes. EFE mgr/plc

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG