Roma, 15 jun (EFE).- Niccoló Ghedini, advogado do primeiro-ministro italiano, Silvio Berlusconi, pediu à Promotoria de Roma hoje que as 5 mil fotografias tiradas seu cliente com amigos em reuniões particulares em sua casa na Sardenha sejam confiscadas, informaram fontes judiciais.

Ghedini, segundo as mesmas fontes, apresentou um relatório no qual acusa o fotógrafo Antonello Zappadu, que tirou as fotos, de ter violado a intimidade do primeiro-ministro.

O relatório considera "intolerável" que, de 2006 a 2009, Berlusconi tenha sido fotografado com seus convidados em festas no interior de Vila Certosa, uma das mansões do magnata na Sardenha, no litoral Esmeralda.

Embora o relatório considere que as fotos sejam "irrelevantes e que não tenham influência", o advogado e parlamentar Ghedini disse que se trata de uma "reiterada violação da intimidade" de Berlusconi e seus amigos.

No final de maio, Ghedini apresentou uma denúncia similar, pedindo o confisco de outras 700 fotos feitas por Zappadu.

Zappadu é o autor das fotografias publicadas na imprensa que geraram uma forte polêmica envolvendo Berlusconi, que foi flagrado com jovens e amigos vestindo apenas roupas íntimas ou que estavam nus. EFE jl/pd

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.