Roma, 25 jul (EFE).- Niccoló Ghedini, advogado do primeiro-ministro da Itália, Silvio Berlusconi, insistiu hoje que não há nenhuma tumba fenícia em Villa Certosa, sua residência na Sardenha, e que só há alguns ossos antigos e peças de cerâmica.

As declarações de Ghedini foram feitas depois que o jornal "L'Espresso" publicou na quinta-feira novas gravações das conversas entre Berlusconi e a prostituta Patrizia D'Addario, nas quais o líder dizia ter descoberto em seus terrenos "30 tumbas fenícias do ano 300 antes de Cristo".

"As tumbas fenícias não existem, por isso, Berlusconi não pôde fazer nenhuma referência às mesmas", explicou o advogado, em comunicado divulgado pela imprensa italiana.

O advogado negou ontem a existência das tumbas. O "L'Espresso" respondeu hoje, citando, em seu site, um artigo de 2005, publicado pelo jornal "Unione Sarda", que fazia referência a restos arqueológicos encontrados em Villa Certosa.

O artigo afirma que o próprio Ghedini acompanhou funcionários da Superintendência Arqueológica a um ponto da residência, onde importantes restos tinham sido localizados.

Segundo Ghedini "o grupo 'Repubblica-L'Espresso' não quer aceitar as evidências e quer defender suas gravações, ilícitas, de cuja origem mantém absoluto silêncio e sobre as quais não permitem nenhuma verificação de que não têm nada a ver com tumbas fenícias", diz o artigo.

"Em fevereiro de 2005, alguns trabalhadores, durante a limpeza de um terreno recém adquirido, encontraram fragmentos de ossos humanos", afirmou Ghedini, que explicou que, naquela época, as autoridades foram avisadas sobre a descoberta.

Os especialistas afirmaram que se tratava de "ossos humanos junto com uma dezena de fragmentos de cerâmica pertencentes a uma ânfora", que datavam na época romana.

Ghedini ressaltou que não existe nenhum outro resto arqueológico no lugar.

O advogado concluiu que esta "história é uma tentativa de construir algo insustentável (...) com a intenção de difamar Berlusconi e de criar dificuldades em sua atividade de Governo". EFE ebp/pd

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.