Atenas, 22 dez (EFE) - O advogado da família do adolescente Alexis Grigoropoulos, morto no último dia 6 por um disparo de um policial em Atenas, declarou que a morte do jovem foi um homicídio doloso, para rebater a tese apresentada pela defesa dos dois agentes envolvidos de que foi um acidente. Em declarações publicadas hoje no jornal Ta Nea, o advogado Dimitris Tsovolas declarou que o autor não atirou para o alto, mas apontou em direção ao local onde estavam Alexis e seus amigos. Ele acrescentou que não existe nenhum ponto de ricochete da bala, como tinha afirmado o advogado dos agentes Epaminontas Korkoneas e Vasilis Saraliotis, para defender a teoria de que disparo foi dado para o alto para dispersar radicais e que a bala teria ricocheteado. Segundo as testemunhas que fizeram declarações perante a justiça, Korkoneas disparou diretamente contra Grigoropulos a uma distância de cerca de 22 a 30 metros. A Polícia realizou no domingo uma investigação no local do episódio, no bairro de Exarchia, no centro da capital grega, na presença de um promotor local, de Tsovolas e de peritos. As autoridades esperam que, em janeiro, seja liberado o relatório final sobre as circunstâncias da morte do jovem, que causou uma onda de violência e protestos estudantis que afetaram a tranqüilidade social e a estabilidade do Executivo conservador. A Grécia viveu no domingo uma noite tranqüila após 14 dias de distúrbios e o comitê de coordenação de manifestações in...

Após a aprovação dos orçamentos para 2009 na meia-noite de domingo, espera-se que Caramanlis realize uma mudança de gabinete para renovar sua imagem e afastar os membros supostamente envolvidos em escândalos de corrupção. EFE afb/ab/db

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.