Adolescente americano pode pegar 50 anos de prisão por matar homossexual

Los Angeles (EUA.), 8 mai (EFE) - Brandon McInerney, de 14 anos, será processado hoje pelo assassinato de Lawrence King, um estudante de sua escola que era homossexual assumido, e, se for julgado como adulto, pode pegar até 50 anos de prisão.

EFE |

A acusação do caso pretende tratar o adolescente como adulto, mas o advogado de defesa, William Quest, indicou que a audiência de hoje poderia ser adiada até que a Corte decida se será considerado como tal ou como menor.

Sob as leis estaduais, os menores de idade podem ser presos até os 25 anos e, depois, libertados.

Se for julgado como adulto, McInerney poderia enfrentar penas de até 50 anos de prisão.

Além disso, parte da estratégia de seu advogado será acusar parcialmente os funcionários do centro pela tragédia.

Segundo informou hoje o jornal "Los Angeles Times", o advogado de defesa de McInerney afirmou que a "incapacidade" do jovem para resolver seus problemas é, em parte, culpa do sistema escolar.

Segundo a Polícia local, os fatos ocorreram em 12 de fevereiro na E.O. Green Junior High School, em Oxnard (Califórnia), quando McInerney atirou na cabeça de King, de 15 anos, pouco depois de começar uma aula.

Para o advogado, os integrantes do centro deveriam ter se antecipado à tragédia e reduzir as tensões entre os dois estudantes, que começaram King flertou publicamente com McInerney.

Por outro lado, segundo Quest, os responsáveis da escola se preocuparam em ajudar King a explorar sua sexualidade, permitindo que o jovem assistisse às aulas de maquiagem e acessórios femininos, que eles acabaram reduzindo a importância da confusão que sua atitude estava causando no campus.

"Brandon não é nenhum lunático", disse Quest, de acordo com o jornal.

"Isto foi uma confluência de eventos trágicos que poderiam ter sido impedidos", acrescentou.

McInerney permaneceu recluso no centro Juvenile Hall desde o episódio, em vez de pagar os US$ 700 mil de fiança.

"Acreditamos que haverá evidências de que a escola não soube tramitar as ações de Larry (Lawrence)", comentou o advogado.

O diretor da escola, Jerry Dannenberg, discordou do ponto de vista da defesa.

"Os encarregados do centro definitivamente estavam a par do que ocorria e o trataram de forma apropriada", explicou Dannenberg, que acrescentou que o adolescente assassinado não descumpria qualquer norma do centro ao usar maquiagem, bijuterias ou botas de cano alto.

EFE mg/db

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG