Miami, 17 out (EFE).- Dois empresários venezuelanos acusados de participação no caso da mala afirmaram hoje que pagaram subornos e cobraram comissões de funcionários de alta categoria e militares de seu país em troca de negócios que lhes garantiram centenas de milhões de dólares em lucro.

O empresário venezuelano Carlos Kauffmann, um dos acusados, afirmou hoje em um tribunal de Miami que ele e seu sócio Franklin Durán transformaram-se em uma espécie testas-de-ferro de uma rede de corrupção que contava com a participação de políticos, funcionários e militares. EFE sob/fal

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.