Miami, 17 set (EFE).- Os Governos de Argentina e Venezuela tinham um acordo político para resolver o Caso da Mala antes que se transformasse em um escândalo maior, revelou hoje Moisés Maiónica, um dos acusados no processo.

Moisés Maiónica, acusado de atuar nos Estados Unidos como agente venezuelano para ocultar a origem e destino do dinheiro, relatou em um tribunal de Miami que ambos os países tinham pactuado defender perante as autoridades argentinas o empresário Guido Alejandro Antonini.

"O acordo político se baseava em que uma vez que Antonini designasse um advogado (na Argentina), o assunto seria resolvido", disse Maiónica ao ser submetido a um intenso interrogatório por parte da defesa de Franklin Durán, o único acusado que se declarou inocente.

Antonini levava a valise com o dinheiro que, segundo as provas da Procuradoria Federal dos EUA, era destinado à campanha eleitoral da atual presidente da Argentina, Cristina Fernández de Kirchner, e procedia dos cofres da empresa estatal Petróleos de Venezuela S.A (PDVSA). EFE sob/rr

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.