A ministra da Informação da Nigéria, Dora Akunyili, afirmou nesta quinta-feira que o nigeriano acusado de tentar explodir um avião que fazia o trajeto entre Amsterdã e a cidade americana de Detroit, começou a viagem em Gana, na África. Akunyili disse à BBC que Umar Farouk Abdulmutallab voou para Lagos, na Nigéria, da cidade de Acra, capital de Gana, e que ele teria passado menos de uma hora em solo nigeriano antes de embarcar em outro voo para Amsterdã, rumo a Detroit.

Autoridades nigerianas e holandesas afirmaram que ele teria passado pelos procedimentos normais de segurança nos aeroportos de Lagos e de Schiphol.

Nesta quinta-feira, o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, deve receber os relatórios preliminares sobre o início das investigações sobre o incidente.

'Falhas sistêmicas'
Nesta semana, o porta-voz da CIA (agência de inteligência americana), George Little, disse que o órgão sabia de Abdulmutallab desde novembro, quando seu país, que havia perdido o contato com ele, visitou a embaixada americana na Nigéria em busca de ajuda para localizá-lo.

Na terça-feira, Obama afirmou que "falhas sistêmicas" teriam contribuído para o atentado.

O presidente disse que quer saber como o alerta do pai de Abdulmutallab não levou à inclusão do nome do nigeriano na lista de pessoas proibidas de entrar nos Estados Unidos.

"Houve uma combinação de falhas humanas e sistêmicas que contribuíram para essa potencial catastrófica brecha na segurança", disse o presidente.

"Precisamos aprender com esse episódio e agir rapidamente para consertar as falhas no sistema", afirmou.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.