Acompanhantes em festas afetam ainda mais imagem de Berlusconi

ROMA - O primeiro-ministro italiano, Silvio Berlusconi, que recentemente passou por uma polêmica devido à sua amizade com uma garota de 18 anos, agora defende-se de acusações de que acompanhantes foram pagas para ir a festas em suas residências.

Reuters |

Berlusconi, de 72 anos, afirmou que as acusações, que originaram-se de uma investigação feita por magistrados na cidade de Bari, no sul do país, são "lixos falsos" e parte de uma conspiração para manchar sua imagem antes do encontro do G8, no próximo mês, quando ele receberá líderes mundiais.

Grandes jornais dedicaram nesta quinta-feira várias páginas ao ultimo problema de imagem de Berlusconi. O advogado do premiê negou as acusações em entrevista, mas disse que, se fossem verdadeiras, o político não teria cometido crime algum.

De acordo com o "Corriere della Sera", maior jornal italiano, magistrados que investigavam um empresário local no sul da Itália, com suspeitas de corrupção, descobriram que ele pagou algumas acompanhantes para irem com ele a festas na casa de Berlusconi.

O diário afirmou que uma das três mulheres disse aos magistrados que passou a noite na enorme casa, parte de um ex-palácio no centro de Roma, a qual Berlusconi, que está passando por um divórcio conturbado, usa como sua residência particular.

A nova polêmica sobre a vida do político chegou um mês depois de a Itália ser paralisada pela amizade do premiê com uma aspirante a modelo de 18 anos. Ele afirmou que não teve relações sexuais com a garota.

"Tempestade sobre as festas de Berlusconi", publicou em sua manchete o jornal La Stampa, de Turim.

O Corriere della Sera informou que uma mulher fez vídeos na residência usando o seu telefone celular e um editorialista afirmou que o estilo de vida do primeiro-ministro o estava deixando suscetível a chantagens.

Quase todos os jornais italianos desta quinta-feira estamparam uma foto de uma das mulheres com Berlusconi e políticos locais em Bari. Ela se candidatou a vereadora há duas semanas, mas não foi eleita.

"Novamente, jornais estão cheios de lixos e falsidades", afirmou Berlusconi em comunicado na quarta-feira. "Eu não vou me deixar ser condicionado por essas agressões", acrescentou, dizendo em seguida que havia pessoas "organizando conspirações" contra ele.

"O encontro do G8 está chegando e ele terá de passar muito tempo negando que estava envolvido com um serviço de acompanhantes em vez de ser um estadista como Obama", afirmou James Walston, professor de ciência política da Universidade Americana de Roma.

O advogado de Berlusconi, Nicolo Ghedini, disse que o premiê era "rico em dinheiro e carisma" e que, por isso, não precisaria pagar mulheres para ir à sua casa. "Acho que ele pode ter grandes quantidades de graça", afirmou ele ao Corriere.

Leia mais sobre Berlusconi

    Leia tudo sobre: berlusconi

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG