Ações da Herbalife caem 18,2% durante a semana na Bolsa de Nova York

Nova York, 25 abr (EFE).- As ações da Herbalife caíram essa semana 18,2% na Bolsa de Nova York, depois que a companhia se pronunciou sobre a veracidade do currículo de seu presidente e o Governo espanhol aconselhou não consumir seus produtos dietéticos e suplementos alimentícios.

EFE |

Apenas no último pregão da semana, a companhia caiu 8,95% sendo negociada a US$ 40,08 por ação, um dia depois de se saber que o presidente-executivo da companhia, Gregory Probert, exagerou em seu currículo.

Conforme antecipou o diário econômico "The Wall Street Journal ", Probert disse que tinha um mestrado em administração de empresas pela Universidade da Califórnia, quando na realidade não chegou a completá-lo.

A companhia emitiu na quinta-feira um comunicado no qual reconhecia a situação e prometia averiguar o caso, para então adotar as medidas oportunas.

Um dia antes, a empresa havia considerado "injustificável" que o Ministério da Saúde espanhol tenha gerado "alarde" à população acerca do consumo de seus produtos, ao vinculá-los com "eventos raros relativos a problemas de fígado de origem desconhecida sem o adequado tratamento científico".

A Herbalife se disse surpresa pela "natureza" do comunicado feito pelo Ministério dirigido por Bernat Soria, no qual se recomendava à população não consumir os suplementos dietéticos desta marca até que os resultados da pesquisa fossem conhecidos.

A empresa assegurou que mantinha "um diálogo aberto e cooperativo com as autoridades espanholas", após o alerta de Saúde sobre "casos suspeitos de intoxicação hepática".

No entanto, denunciou que na comunicação das autoridades espanholas "não se especifica o produto ou o ingrediente (com o susposto problema)", enquanto a Herbalife possui mais de 400 à venda no mundo todo, 48 deles na Espanha, incluindo produtos para a pele, cuidado do cabelo, cremes faciais, xampus e sabonetes.

A companhia, que patrocina o time de futebol de Los Angeles Galaxy no qual joga David Beckham, lembrou que "milhões de consumidores" no mundo todo viram os benefícios nutricionais de seus produtos e manifesta que seus clientes "se sentem seguros há mais de 28 anos". EFE mgl/fb ECO:ECONOMIA,MERCADOS-FINANÇAS,BOLSAS-VALORES ++SOC++:SOCIEDADE-SAÚDE,SOCIEDADE ++SOC++:SOCIEDADE-SAÚDE,SAÚDE ECO:é:04009000:Economia, negócios e finanças:Mercados e bolsas ++SOC++:é:14000000:Assuntos sociais ++SYS++:é:07000000:Saúde e saúde

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG