Ações caem na Ásia em reação a cautela com montadoras dos EUA

Por Eric Burroughs HONG KONG (Reuters) - A maioria das bolsas de valores da Ásia encerrou os negócios desta quarta-feira em baixa, à medida em que o apelo das montadoras dos Estados Unidos por um pacote de resgate do governo mostrou como a crise financeira está afetando fileiras cada vez maiores da economia global.

Reuters |

Agentes de mercados ficaram assustados com as perspectivas ruins apresentadas ao Congresso dos EUA por executivos das três maiores montadoras de Detroit, que também pediram um ajuda ao setor de 25 bilhões de dólares.

O índice Nikkei da bolsa de valores de Tóquio, no Japão, fechou em baixa de 0,66 por cento, aos 8.273 pontos, puxado em parte pela queda das ações do maior banco do país, o Mitsubishi UFJ Financial Group que amargou uma queda de 61 por cento em seu lucro trimestral.

A notícia de que o Sumitomo Mitsui Financial Group planeja levantar 4,2 bilhões de dólares em capital também contribuiu para o recuo do índice acionário.

O indicador MSCI de ações da região Ásia-Pacífico excluindo o Japão recuava 1,26 por cento por volta das 6h56 (horário de Brasília).

O índice da bolsa de valores da Austrália teve desvalorização de 0,67 por cento, refletindo o recuo dos papéis de empresas não-financeiras, depois que autoridades locais liberaram novamente as operações de venda a descoberto de ações.

Na Coréia do Sul, o índice Kospi perdeu 1,87 por cento, para 1.016 pontos, mostrando mais uma vez que investidores têm se mantido afastados de ativos de maior risco, como as ações.

Em Taiwan, a bolsa local teve queda de 0,49 por cento, marcando novo patamar mínimo de fechamento em cinco anos, aos 4.284 pontos.

O índice Hang Seng da bolsa de Hong Kong teve queda de 0,77 por cento, depois que investidores resolveram embolsar parte dos ganhos registrados no início do pregão com os papéis de refinarias.

Na contramão da região, o índice da bolsa de Xangai encerrou os negócios com expressiva alta de 6,05 por cento, também influenciado pelo comportamento das ações das refinarias de petróleo.

Leia mais sobre: Bolsas asiáticas

    Leia tudo sobre: bolsa de valoresbolsas asiáticas

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG