Ácido fólico pode prevenir doenças em bebês, diz estudo

(Embargada até as 20h01 de terça-feira). Londres, 12 mai (EFE).- O consumo de ácido fólico contribui para diminuir a possibilidade de os bebês nascerem com algum tipo de problema cardíaco congênito, segundo estudo realizado por cientistas canadenses.

EFE |

O número de recém-nascidos com alguma cardiopatia congênita naquele país diminuiu depois que o Governo tornou obrigatória, em 1998, a adição de ácido fólico em certos tipos de alimentos.

A pesquisa realizada por dois professores da Universidade McGill de Montreal foi publicada pelo "British Medical Journal", e seus resultados poderiam convencer a Europa a implantar medidas semelhantes.

Já está comprovado que o consumo de ácido fólico em fases adiantadas da gravidez reduz o risco de o bebê sofrer com várias complicações.

No entanto, os resultados deste relatório canadense ainda não são conclusivos, segundo a publicação britânica.

O estudo foi baseado em dados estatísticos e comparou o número de bebês que nasceram com alguma cardiopatia congênita antes da adição de ácido fólico nos alimentos, e após a medida.

Entre 1990 e 2005, nasceram 1,3 milhão de bebês em Quebec, dos quais 2.083 apresentaram este tipo de problema.

Já após a implantação da medida, esta taxa caiu a um ritmo de 6% ao ano.

Segundo os autores do estudo, esta queda anual não é fruto do acaso, já que foram considerados fatores de risco como a idade da mãe, obesidade ou o tipo de medicação usado. Ainda assim, os números seguiram caindo.

Os cientistas admitiram que estes 6% podem representar um número modesto, mas não deixam de ser uma grande notícia, dada a complexidade do tratamento para doenças cardíacas. EFE otp/plc

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG