Acidente em submarino nuclear deixa 20 mortos na Rússia

Vinte pessoas morreram e 22 foram ficaram feridas neste sábado num acidente a bordo do submarino russo a propulsão nuclear da Frota russa do Pacífico, o pior do gênero desde à catástrofe do Kursk há oito anos.

AFP |

As autoridades afirmaram que os níveis de radiação a bordo estavam "normais".

"Segundo um balanço preciso, 20 pessoas morreram, das quais três oficiais e 17 civis, membros da equipe do estaleiro encarregado da entrada do navio", declarou à Interfax Vladimir Markine, responsável da comissão de investigação.

"Elas morreram inalando gás fréon emitido numa parte do navio pela ativação do sistema antiincêndio", destacou a três agências de notícias russas.

"Durante um teste de um submarino nuclear, o sistema antiincêndio teve uma falha, matando mais de 20 pessoas, entre as quais militares e operários", anunciou antes à AFP um responsável da marinha russa, o capitão Igor Dygalo.

"O submarino não está com problemas, seu reator funciona normalmente e os níveis de radiação registrados a bordo do submarino são normais", destacou.

"O acidente aconteceu no mar do Japão", disse ainda o capitão ao canal de informação contínua Vesti 24.

Os 22 feridos foram levados a Vladivostok por um navio militar e internados num hospital da Frota do Pacífico. "Eles sofrem de intoxicação de diversos graus", declarou à AFP uma fonte deste hospital.

Quando há um incêndio num compartimento de um submarino, um dos meios de neutralizá-lo é dispersando gás neste compartimento, indicou a Ria Novosti citando a Frota do Pacífico.

O submarino chegou neste domingo ao porto de Bolchoi Kamen, perto de Vladivostok e os corpos das vítimas foram levados para os necrotérios da região.

No total, 208 pessoas estavam a bordo, entre elas 81 militares e funcionários de um estaleiro, indicou o capitão Igor Dygalo. As autoridades não forneceram nenhum dado oficial preciso sobre o submarino ou sobre a eventual presença de armamentos a bordo.

Segundo uma fonte do estaleiro onde ele foi construído, em Komsomolsk-sur-Amour (Extremo oriente russo), citada pela agência Ria Novosti, é um submarino de ataque à propulsão nuclear "Nerpa" (projeto 971 Shuka-B, Akula na classificação da Otan). Este novo submarino realizou seu primeiro mergulho no início de novembro, acrescentou a fonte.

Ele estava realizando testes no mar. Estes testes são destinados, segundo a Ria Novosti, a prepará-lo para entrega à Índia. Esta informação não foi confirmada por fonte oficial.

Segundo a imprensa russa, Nova Délhi teria pagado dois bilhões de dólares (1,56 bilhão de euros) para o leasing com opção de compra dois submarinos da classe Akula.

A falha no sistema antiincêndio aconteceu em um ou dois compartimentos no mínimo do submarino, indicou um especialista militar citado pelas agências russas.

Segundo o especialista citado pela Ria, "um erro de programação ou de exploração" pode ter disparado o sistema antiincêndio.

O ministro russo da Defesa, Anatoli Serdioukov, informou o presidente Dmitri Medvedev, que pediu a abertura de uma investigação "completa e meticulosa", assim como pediu "o maior apoio possível às famílias das vítimas", indicou Dygalo.

vn-uh/lm

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG