Acesso universal a tratamentos contra aids não ocorrerá até 2010, diz Unicef

Juan Ramón Peña México - O acesso comum a métodos de prevenção e tratamento da aids não será obtido em todas as regiões do mundo até 2010, como as instituições internacionais fixaram, afirmou hoje o responsável pelo programa de combate à doença do Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef), Jimmy Kolker.

EFE |

"É certo que o ambicioso objetivo de acesso universal não será conquistado em todos os lados. Acho que teremos que continuar com nossa luta muito depois dessa data", disse o ex-diplomata americano em entrevista à Agência Efe.

Kolker participa esta semana da 17ª Conferência Internacional sobre Aids ("Aids 2008"), no México. No evento, tem debatido a situação global do vírus HIV e da doença.

"A maioria dos países em desenvolvimento não completou o desafio, mas há progressos, e colocar objetivos ambiciosos é uma forma de medi-los", completou o especialista do Unicef.

Como exemplos positivos de acesso universal a meios de prevenção e tratamento, Kolker citou o Brasil e a Botsuana.

Entre os avanços globais contra a doença, o ex-diplomata americano citou as práticas para evitar a transmissão do HIV de mães grávidas a seus fetos e o acesso à informação sobre sexo seguro e prevenção de contágio.

"A educação é um assunto essencial, porque em muitas escolas são temas tabu (os relacionados com a aids), os professores não querem ensiná-los, e os Governos não têm políticas específicas", lamentou.

Por isso, Kolker considerou um bom sinal a declaração assinada na última sexta-feira por ministros da Saúde de 30 países latino-americanos e do Caribe para promover educação sexual nas escolas.

Kolker assegurou que a epidemia é um "sério problema" na maioria dos países da região.

"Na América Latina e no Caribe, a infecção está afetando cada vez mais mulheres e crianças", declarou o especialista do Unicef.

Leia mais sobre: Aids

    Leia tudo sobre: aids

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG