Ação da Otan mata 14 civis no Afeganistão, dizem autoridades

Morte de civis é inaceitável, afirmou em comunicado o presidente do Afeganistão, Hamid Karzai

EFE |

Pelo menos 14 crianças e mulheres afegãos morreram e seis pessoas ficaram feridas em um bombardeio das forças da Otan registrado neste sábado na província sulina afegã de Helmand. "Os mortos são cinco meninas, sete meninos e duas mulheres, e entre os seis feridos há três garotos e uma mulher", afirmou o escritório do governador de Helmand em comunicado.

AFP
Pai carrega corpo de filho morto em ataque no Afeganistão
O bombardeio ocorreu no distrito de Naw Zad, depois que um grupo de insurgentes atacou soldados da missão da Otan, da Força Internacional de Assistência à Segurança, segundo o porta-voz do governador provincial, Dawoud Ahmadi. Os aviões da Isaf bombardearam duas casas durante uma operação contra o grupo de insurgentes, que estava atacando a base de Salam Bazar, o que tinha levado os soldados internacionais a pedir a apoio aéreo.

De acordo com a Isaf, o comando militar do sudoeste afegão ordenou o envio de uma equipe de investigação para a região, após "conhecer informações" sobre a "suposta morte de civis" por causa do bombardeio. Na quinta-feira passada, a Isaf já tinha realizado outro bombardeio que matou dúzias de insurgentes na conflituosa província oriental do Nuristão, embora as autoridades locais tenham denunciado as mortes de 20 civis e 22 policiais.

As mortes de civis são um dos pontos de atrito frequentes entre o governo afegão e as tropas internacionais desdobradas no país, no total cerca de 150 mil soldados. As organizações de direitos humanos atribuem aos talibãs a maioria das mortes de civis, mas as autoridades afegãs, com o presidente Hamid Karzai à frente, qualificaram ao mesmo tempo de "inaceitáveis" as vítimas civis em bombardeios da Isaf neste sábado.

Karzai, de viagem oficial no Turcomenistão, anunciou em uma nota que pediu a seu Ministério da Defesa que ponha fim às operações "não coordenadas" da Isaf no Afeganistão e que assuma o controle das ações noturnas. Segundo dados da missão das Nações Unidas no Afeganistão (Unama), 2.777 civis morreram no ano passado por causa da violência, o que representa um aumento de 15% frente a 2009.

    Leia tudo sobre: afeganistãoataqueotankarzai

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG