Washington, 17 fev (EFE).- Bristol Palin, filha da ex-candidata republicana à Vice-Presidência dos EUA Sarah Palin, declarou hoje à rede de televisão Fox que não é realista a defesa que sua mãe fez da abstinência sexual entre os adolescentes.

Em sua primeira entrevista desde dezembro, quando deu à luz a seu filho Tripp, Bristol, de 18 anos, disse que o ideal seria que "todos os jovens se abstivessem", mas esclareceu que não considera isto realista "porque o sexo é algo cada vez mais aceito nas escolas".

"De qualquer forma, espero que histórias como a minha contribuam para mudar isto. Todos deveriam esperar dez anos, porque tudo é muito mais fácil quando a gente está casada e tem um lar e uma carreira", acrescentou.

A filha da governadora do Alasca refletiu sobre o "muito" que sua vida mudou nos últimos meses.

"Há um ano, eu não poderia prever que seria mãe, nem que minha mãe entraria na disputa pela Vice-Presidência", comentou.

O anúncio da gravidez de Bristol, em agosto do ano passado, poucas semanas após Palin confirmar sua candidatura como vice de John McCain pelo partido Republicano, causou o primeiro golpe à imagem pública da governadora.

"Não me arrependo de nada. Ter o bebê foi minha decisão e o que importava era o que eu pensava, e não minha mãe", acrescentou Bristol, lembrando que contar a seus pais que estava grávida foi "mais duro do que o parto".

"Minha melhor amiga teve que me ajudar e foi ela quem disse a meus pais", explicou.

Bristol, que vive com Levi Johnston, pai de Tripp, não esquivou de outro tema polêmico sua gravidez, o do casamento.

"Gostaríamos de nos casar (oficialmente) algum dia, mas por enquanto nos concentramos em ser bons pais", disse a filha de Palin, que assegura ser "bastante independente" de sua família.

Quanto ao seu futuro profissional, Bristol anunciou que gostaria de estudar para se transformar em advogada especializada exatamente na prevenção de gravidez adolescente. EFE llb/jp

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.