Roma - Os colégios eleitorais na Itália abriram nesta segunda-feira, às 7h (2h de Brasília), no segundo e último dia das eleições gerais. A expectativa é de que os primeiros resultados comecem a ser divulgados logo após o fechamento das urnas, previsto para as 15h (10h de Brasília). A eleição deve determinar os novos Parlamento e primeiro-ministro do país. Caio Blinder: http://ultimosegundo.ig.com.br/opiniao/caio_blinder/2008/04/14/macarronada_eleitoral_na_italia_vai_dar_em_pizza__1270900.htmlMacarronada eleitoral na Itália vai dar em pizza http://ultimosegundo.ig.com.br/mundo/2008/04/13/primeiro_dia_de_votacoes_na_italia_e_marcado_por_baixa_participacao_1270669.htmlPrimeiro dia de votações na Itália é marcado por baixa participação


     Clique na imagem e veja o infográfico sobre as eleições na Itália

A disputa pelo governo da Itália se concentra em dois partidos: o PDL, Partido da Liberdade, de centro-direita, liderado pelo ex-primeiro-ministro Silvio Berlusconi; e o PD, Partido Democrático, de centro-esquerda, cujo líder é o ex-prefeito de Roma, Walter Veltroni.

Com a economia no centro das preocupações dos eleitores italianos, os dois principais candidatos prometeram cortes fiscais modestos e diminuição da burocracia durante a campanha.

Disputa acirrada

Reuters
A lei italiana não permite a divulgação de pesquisas de intenção de voto duas semanas antes das eleições, mas os correspondentes da BBC dizem que a disputa está bastante acirrada e que o vitorioso poderá ter de formar uma coalizão com partidos menores. Nem mesmo uma aliança entre Berlusconi com Veltroni é descartada.

As eleições estão sendo realizadas três anos antes do previsto por causa do colapso da coalizão de centro-esquerda liderada por Romano Prodi. O novo governo será o 62º do país em 63 anos.

Além das 47 milhões de pessoas habilitadas a votar na Itália, cerca de três milhões de italianos que vivem no exterior podem participar das eleições.

Observadores da direita e da esquerda devem acompanhar a apuração, para evitar qualquer acusação posterior de fraude eleitoral.

Uma nova lei que entrou em vigor para estas eleições proíbe o porte de celulares equipados com câmeras fotográficas na hora do voto, já que em outras eleições teriam sido registrados casos de coerção.

A expectativa das autoridades era de grande participação nas eleições. No último pleito, há pouco mais de dois anos, mais de 80% dos eleitores exerceram o direito de votar.

(*com informações das agências Efe e BBC)

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.