Abertura dos bancos em Porto Príncipe gera filas

Porto Príncipe, 23 jan (EFE).- Os bancos da capital haitiana abriram hoje as portas, 11 dias depois do terremoto de 12 de janeiro, com grandes filas, mas sem problemas nem atos de violência.

EFE |

Segundo confirmou à Agência Efe o presidente da Associação dos Bancos Privados, Maxime Charles, 42 agências bancárias abriram na capital, e as que não o fizeram foi porque tiveram seus prédios danificados e por isso não tinham condições de atender aos clientes.

Em cada instituição bancária, eram visíveis filas de cidadãos ansiosos por retirar dinheiro - com o limite de US$ 2,5 mil - para fazer todo o tipo de pagamento.

Discretamente escoltados por policiais da Missão da ONU no Haiti (Minustah), os bancos abrirão as portas também, e de forma excepcional, neste domingo.

No interior do país, os bancos já trabalham desde quinta-feira e não foram registrados problemas, acrescentou Charles.

Os escritórios de envios de dinheiro e transferências também tiveram filas desde a abertura há três dias.

O terremoto de 7 graus na escala Richter que atingiu o Haiti ocorreu às 19h53 de Brasília do dia 12 de janeiro e teve epicentro a 15 quilômetros da capital, Porto Príncipe.

Pelo menos 21 brasileiros morreram na tragédia, sendo 18 militares e três civis, entre eles a médica Zilda Arns, fundadora e coordenadora da Pastoral da Criança, e Luiz Carlos da Costa, o segundo civil mais importante na hierarquia da ONU no Haiti. EFE jsm/dm

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG