Abertura de conferência constitucional no Zimbábue é impedida por briga

Harare, 13 jul (EFE).- A conferência constitucional do Zimbábue começou hoje com graves incidentes, quando delegados do partido do Governo e da oposição se agrediram fisicamente, em uma briga que só terminou depois que a Polícia esvaziou o Centro de Convenções de Harare, local onde o ato foi realizado.

EFE |

O encontro é parte do acordo estabelecido no início do ano entre o atual Governo da União Nacional Africana do Zimbábue-Frente Patriótica (Zanu-PF), do presidente Robert Mugabe e o Movimento para a Mudança Democrática (MDC), liderado pelo Primeiro-ministro do país, Morgan Tsvangirai.

Os enfrentamentos de hoje começaram depois que seguidores da Zanu-PF assobiaram e interromperam com antigas canções revolucionárias a tentativa de discurso de abertura da conferência do presidente da Assembleia Nacional, Lovemore Moyo, membro do MDC.

O discurso de Moyo não foi além da primeira frase, quando os delegados da Zanu-PF passaram da agressão verbal para a física e começaram a lançar, entre outras coisas, garrafas de água e cadeiras, às quais os representantes do MDC responderam da mesma maneira.

A Polícia ocupou o lugar da reunião e levou todos os participantes a empurrões para a rua.

No caos, um dos delegados do MDC foi ferido gravemente na cabeça e teve que receber atendimento médico, segundo fontes do antigo partido opositor.

Em comunicado emitido pouco depois do incidente, o MDC acusou a Zanu-PF de organizar "grupos juvenis de choque" para interromper a conferência, que tem o objetivo de introduzir reformas na constituição, que fortalecerão o papel do Legislativo e diminuirão os poderes do Presidente em um futuro Governo.

Os organizadores não afirmaram quando poderão retomar a conferência, enquanto Tsvangirai e Mugabe, que não foram à abertura, como estava previsto, se reuniram para analisar o incidente. EFE rt/pd

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG