Abbas reitera necessidade de conter assentamentos para negociar com Israel

Tóquio, 8 fev (EFE).- O presidente da Autoridade Nacional Palestina (ANP), Mahmoud Abbas, reafirmou hoje em Tóquio a necessidade de que Israel suspenda a construção de assentamentos para retomar as negociações, segundo um comunicado conjunto do Governo japonês.

EFE |

Abbas lembrou, após sua reunião com o primeiro-ministro do Japão, Yukio Hatoyama, que o Mapa do Caminho, fixada pelo Quarteto de Madri (formado por Estados Unidos, União Europeia, Nações Unidas e Rússia), "deve ser a base do processo de paz no Oriente Médio" Ele afirmou que continuará buscando o fim da violência contra Israel.

No encontro realizado em Tóquio, Hatoyama e Abbas concordaram sobre a necessidade de retomar o processo de paz o mais rápido possível e desbloquear o atual impasse negociador de mais de um ano para chegar a uma solução que contemple a criação de dois Estados em coexistência.

Hatoyama também pediu ao Governo israelense o fim da construção de assentamentos. Ele assegurou que o Japão não reconhecerá nenhum ato de Israel que prejudique o estatuto final de Jerusalém e das fronteiras anteriores a 1967, quando Israel ocupou territórios palestinos na Guerra dos Seis Dias.

Abbas reiterou que é necessário que Israel detenha totalmente a ampliação das colônias judaicas em Jerusalém Oriental e na Cisjordânia. O jornal israelense "Haaretz" indicou que o líder da ANP estava disposto a iniciar um diálogo indireto de paz com Israel, sob mediação dos EUA.

A ANP desmentiu que Abbas tenha cedido à pressão da comunidade internacional para empreender negociações com a mediação do enviado especial dos EUA para o Oriente Médio, George Mitchell.

A fórmula de Mitchell significaria a primeira vez desde os Acordos de Oslo (1993) que palestinos e israelenses não mantêm um diálogo direto. No entanto, poria fim a mais de um ano de paralisia do processo de paz, desde a ofensiva israelense em Gaza de um ano atrás, que deixou 1,4 mil palestinos mortos.

Tanto Abbas quanto Hatoyama concordaram na necessidade de retomar "o mais rápido possível" as negociações de paz no Oriente Médio. O Japão prometeu apoio à Faixa de Gaza e ajuda para a criação de um futuro Estado palestino viável.

O Japão é um dos maiores doadores de recurso à ANP e contribuiu com mais de US$ 1 bilhão de ajuda para a Palestina desde 1993.

Abbas se reunirá amanhã com o ministro de Assuntos Exteriores japonês, Katsuya Okada, antes de partir para a Coreia do Sul, onde se reunirá com o presidente sul-coreano, Lee Myung-bak, na quarta-feira. EFE jmr/sa

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG