O presidente palestino, Mahmoud Abbas, chegou ao Brasil nesta quinta-feira para uma visita oficial de três dias em que deverá buscar o apoio do governo brasileiro ao plano de declaração unilateral de independência da Palestina. A viagem ocorre depois de o negociador-chefe palestino, Saeb Erekat, ter anunciado, no domingo, que vai pedir ao Conselho de Segurança da ONU que reconheça um Estado palestino independente.

"O assunto deverá ser tratado no encontro com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva", disse à BBC Brasil o primeiro conselheiro da Delegação Especial da Palestina no Brasil, Salah El-Qatta.

O presidente palestino também deverá visitar a Argentina e o Chile em busca de apoio. Estados Unidos e União Europeia já afirmaram que não vão respaldar o plano de declaração unilateral de independência.

Abbas desembarcou em Salvador, na Bahia, na manhã desta quinta-feira. Nesta sexta-feira, também na capital baiana, os dois líderes se reúnem para a assinatura de um protocolo de intenções sobre cooperação técnica.

No encontro com Lula, o presidente palestino deverá discutir o apoio brasileiro aos esforços de paz no Oriente Médio.

"Os dois presidentes discutirão temas em comum, como a paz no Oriente Médio e o papel do Brasil, que cada vez é mais importante", disse à BBC Brasil o embaixador palestino em Brasília, Ibrahim Alzeben.

"O Brasil mantém relações boas e históricas com ambas as partes, tanto com o lado israelense quanto com o lado palestino, e pode ajudar a convencer Israel a cumprir com o direito internacional", afirmou o embaixador.

Impasse

Abbas vem ao Brasil uma semana depois da visita do presidente de Israel, Shimon Peres, e em um momento de impasse na retomada das negociações de paz.

Nesta semana, logo após o anúncio do plano palestino de declaração de independência, Israel autorizou a construção de mais 900 casas no assentamento de Gilo, que fica em território ocupado, reivindicado pela Autoridade Palestina, em Jerusalém Oriental.

A medida foi recebida com críticas por parte de diversos países. Em nota, o Itamaraty afirmou que "a decisão do governo israelense de expandir assentamento situado em território palestino viola resoluções do Conselho de Segurança das Nações Unidas a respeito do tema e contraria as obrigações assumidas por Israel no âmbito do Mapa do Caminho".

"Representa um duro golpe nos esforços internacionais que visam à retomada do processo de paz na região e constitui novo obstáculo à consecução do objetivo de um futuro Estado palestino geograficamente coeso e economicamente viável", diz o comunicado.

A nota afirma ainda que o governo brasileiro "conclama o governo de Israel a rever a decisão anunciada, de modo a ampliar as condições políticas necessárias para que israelenses e palestinos voltem à mesa de negociações, com vistas a alcançar um acordo que viabilize a solução de dois Estados".

Há duas semanas, Abbas anunciou que não pretende concorrer à reeleição devido ao impasse nas negociações. O principal motivo seria a recusa de Israel em congelar os assentamentos judaicos em territórios palestinos, uma questão considerada crucial pelos palestinos para a retomada das negociações de paz.

Na semana passada, a Comissão Eleitoral Palestina recomendou o adiamento da votação, inicialmente prevista para 24 de janeiro, depois de o Hamas, grupo que controla a Faixa de Gaza, ter anunciado que iria impedir a realização do pleito no território. Outro motivo seria a indefinição sobre se Israel vai ou não colaborar com a votação.

O anúncio de Abbas provocou uma crise de liderança na Autoridade Nacional Palestina (ANP), instituição que, no papel, governa os territórios palestinos, mas, na prática, governa a Cisjordânia.

Esta é a segunda visita de Abbas ao Brasil. Em 2005, ele participou no país da 1ª Cúpula América do Sul - Países Árabes.

Após deixar Salvador, o presidente palestino irá a Porto Alegre, onde se reúne com a comunidade palestina no Rio Grande do Sul - a maior do Brasil. Depois, segue para a Argentina.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.