Aassassinato de um americano paira sobre a reunião de Hu com Bush

Pequim, 10 ago (EFE).- Os presidentes da China, Hu Jintao, e dos Estados Unidos, George W.

EFE |

Bush, se reuniram hoje em Pequim, em um encontro no qual ambos os líderes mostraram seu pesar pelo assassinato ontem do americano Todd Bachman, sogro do treinador de vôlei da equipe masculina americana Hugh McCutcheon.

Segundo informou a agência oficial "Xinhua", ao começar a reunião, Hu expressou a Bush seus "sinceros pêsames" pela morte ontem de Todd Bachman, assassinado por um cidadão chinês, que também atacou a sua esposa e a guia turística que os acompanhava e que depois se suicidou.

"Quero expressar meus sentimentos de pêsames ao senhor e à família das vítimas deste infeliz incidente", disse o presidente da China a seu colega americano.

"Começamos a investigação deste caso com toda a rapidez e a realizamos rigorosamente e de acordo com a lei chinesa. Estamos em contato com os EUA e informaremos sobre sua evolução", explicou Hu.

Bush agradeceu o gesto de solidariedade de Hu e assegurou que os EUA apreciavam as mostras de apoio chinesas no caso.

Durante os primeiros minutos da reunião - os únicos aos quais a imprensa teve acesso - Bush elogiou a cerimônia de inauguração dos Jogos Olímpicos de Pequim, que qualificou de "espetacular" e lembrou que cada vez que visita a China leva "uma experiência memorável".

Por outro lado, a "Xinhua" também informou que durante a reunião de hoje o presidente da China insistiu que seu país nunca modificará sua postura de querer a reunificação de Taiwan, apoiada por Washington.

"Não importa que tipo de mudanças aconteçam nas relações entre o Estreito (de Formosa, que separa a ilha de Taiwan da China continental). Nosso princípio de uma só China e de oposição às atividades separatistas não mudará", disse Hu, pedindo apoio às negociações pacíficas.

Bush respondeu que os EUA se alegram de observar as melhoras das relações entre ambos os lados do Estreito.

Durante a jornada de hoje e antes da reunião com Hu, Bush assistiu a uma missa na capital chinesa, na saída da qual reivindicou implicitamente mais liberdade religiosa na China ao declarar que ninguém "deveria temer sua influência" (da religião).

Posteriormente, Bush foi ao "Cubo D'água", o recinto olímpico onde são disputadas as provas de natação, e presenciou a primeira vitória e o recorde do mundo de seu compatriota Michael Phelps.

O presidente americano deixará hoje a capital chinesa, após assistir à partida de basquete entre as seleções dos EUA e da China, um dos mais esperados dos Jogos de Pequim pelo público local e onde é provável que volte a encontrar com Hu Jintao. EFE gmp/ma

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG