A psicose da gripe suína se apodera da Argentina com a 43a. morte

A psicose da gripe suína se apoderou da Argentina, principalmente pela negativa do governo de declarar o estado de emergência e as negligências acumuladas durante semanas de campanha eleitoral, quando o número de mortos quase que duplicou, passando de 26 a 43.

AFP |

"Entre 43 e 44 mortos", respondeu o ministro da Saúde, Juan Manzur ao ser consultado sobre o número de vítimas fatais da gripe suína, atualizando o último boletim, emitido na sexta-feira passada.

"A situação por causa da gripe suína é séria e difícil", admitiu ainda.

Com 43 mortes, a Argentina é o terceiro país em número de óbitos por gripe suína, atrás apenas de Estados Unidos e México, segundo cifras da Organização Mundial da Saúde (OMS).

Manzur anunciou uma série de medidas, entre elas a criação de uma conta especial, no âmbito do ministério da Saúde, para fortalecer a estrutura sanitária em todo o país.

O ministro revelou ainda que os "grupos sociais mais vulneráveis", como as grávidas, poderão solicitar uma licença preventiva a partir de amanhã, por um período de 15 dias.

De acordo com os últimos dados oficiais, há 1.587 infectados em todo o país. Porém, entidades médicas afirmam que o número de pessoas que contraíram o vírus A (H1N1) se eleva na verdade a dezenas de milhares.

Manzur foi nomeado 48 horas depois da saíde de sua antecessora, Graciela Ocaña, que renunciou no dia seguinte às eleições que representaram uma derrota para o casal Néstor e Cristina Kirschner.

Nos últimos dias a campanha eleitoral dominou o país, deixando a situação sanitária em segundo plano.

"Estamos sofrendo com a falta de condução política", afirma Jorge Yabkowski, presidente da Federação Sindical de Professionais da Saúde da Argentina (FESPROSA). "Estamos sem declaração de emergência sanitária a nível nacional e com ordens contraditórias".

Diante da ausência de medidas por parte de um governo abalado pelos resultados eleitorais, as autoridades regionais tomaram a dianteira em termos de prevenção.

Algumas cidades na província de Buenos Aires, como Pergamino, decidiram fechar seus lugares públicos e a maioria das províncias do país optaram por antecipar em duas semanas o período das férias escolares de meio de ano.

Os especialistas esperam um pico da pandemina nas próximas semanas devido aos rigores do inverno austral.

ial/rpl/cn

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG