A matraca do Barack

O pastor de Barack Obama, Jeremiah Wright, um crítico implacável dos Estados Unidos, começou uma blitz de relações públicas neste fim de semana e ocupa os noticiários, da manhã à noite. O pastor não pede desculpas, não se retrata, provoca e ataca seus críticos e quando fala o rebanho ouve.

BBC Brasil |

Ele acha que é vítima de uma conspiração da mídia corporativa.

"Não sou divisivo, sou descritivo", é a explicação dele sobre suas controvertidas declarações que complicam a candidatura do senador Barack Obama.

"O senhor disse que os ataques de 11 de setembro foram uma conseqüência da política externa americana", perguntou um jornalista na entrevista coletiva no National Press Club na manhã de segunda-feira, transmitida ao vivo.

"Está na Bíblia. Quem aterroriza outros povos pode esperar terror de volta."
"O senhor é amigo de Louis Farrakhan nos Estados Unidos (líder da Nação do Islã e crítico de Israel e dos judeus)?"
"Farrakhan é um dos homens mais importantes do século passado e deste. Não vou negar minha amizade com ele."
"O senhor é patriota?"
"Eu servi seis anos nas forças armadas. Quantos anos Dick Cheney serviu?"
Estes foram alguns trechos da entrevista do pastor, que também teve momentos positivos para Barack Obama.

"Não sou guia espiritual nem guru do senador. Sou o pastor da igreja da família Obama e já disse a ele que se ganhar em novembro vou fazer cobrança. Estarei contra ele."
Jeremiah Wright é mais do que o pastor dominical do candidato. Ele foi responsável pela conversão do senador, que na infância e juventude foi a escolas católicas, protestantes e muçulmanas, mas antes de encontrar Wright não tinha nenhuma filiação religiosa.

Jeremiah Wright celebrou o casamento do senador, batizou as duas filhas e ia falar no dia que Obama anunciou sua candidatura à presidência, mas assessores do político neutralizaram a participação do pastor.

Um sermão dele em 1988, "Audácia da Esperanca", foi o fator decisivo na conversão do senador e é o título do segundo livro de Obama, embora ele não acredite nas explicações religiosas sobre a origem do mundo nem no nosso destino depois da morte.

Barack Obama gravava os discursos do pastor, que serviam de inspiração nos seus debates em Harvard, mas o estilo do senador é professoral e reflexivo. O do pastor é emocional e bombástico.

Entre controvérsias anteriores estão uma viagem do revererendo a Cuba e outra à Líbia com Louis Farrakhan, quando se encontraram com o coronel Khadafi, que resultou em nada.

O pastor nasceu e cresceu numa vizinhança de classe média na Filadélfia, filho de pai pastor e mãe professora, a primeira negra a chegar a vice-diretora de uma escola na cidade. Sempre foi aluno brilhante, inclusive nas escolas com 90% de brancos.

Jeremiah Wright estava na faculdade quando ouviu o discurso de John Kennedy com a frase "Não pergunte o que o país pode fazer por você, e sim o que você pode fazer pelo país".

Largou a faculdade e se alistou no corpo de fuzileiros navais. Três anos depois, pediu transferência para a Marinha, fez um curso de técnico em enfermagem e foi parte da equipe médica da Marinha que cuidava do presidente Johnson.

Saiu da Casa Branca recomendado e condecorado. Não é fácil falar mal do currículo público do pastor.

Voltou para a universidade, saiu diplomado como doutor em religião aplicada (Doctor of Ministry) e em 1972 foi dirigir a igreja Trinity de Chicago, onde mais tarde encontraria o universitário e líder comunitário Barack Obama.

O senador há muito tempo não aparece em público com o pastor, criticou várias das suas declarações políticas, mas se recusa a fazer um rompimento formal com Jeremiah Wright, embora os dois já tenham conversado sobre a possibilidade desta separação durante a campanha.

As conexões do senador com o pastor ameaçam o voto branco de classe média baixa que Obama perdeu para a senadora Hillary Clinton em 25 das 28 eleições primárias.

Este é um voto indispensável para vencer a eleição de novembro.

O Partido Republicano da Carolina do Norte, onde será a próxima primária no dia 6 de maio e Obama é favorito, lançou uma campanha pela televisão com imagens e frases do pastor para ilustrar os perigos das conexões de Obama, e o senador McCain, que tinha criticado os comerciais, agora engrossa o coro do radicalismo de Obama.

Barack Obama precisa de gênio político para silenciar a matraca do pastor e conquistar o voto do branco pobre sem perder o voto negro.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG